Volume de negócios da Mapfre quase triplicou, para 289 ME, em Portugal em 2016

A Mapfre, que junta três sociedades, registou um resultado líquido de 9,6 milhões de euros em Portugal, em 2016, enquanto o volume de negócios quase triplicou, segundo a informação hoje divulgada pela seguradora espanhola.

De acordo com o novo presidente executivo da Mapfre em Portugal, Luis Anula, citado na nota, "o resultado líquido no mercado português foi de cerca de 9,6 milhões de euros no conjunto das três sociedades do grupo (Mapfre-Seguros Gerais, Mapfre-Seguros de Vida e Bankinter Vida)".

Em Portugal, "o volume global de negócios ultrapassou os 289 milhões de euros em 2016, mais 193% que no ano anterior", acrescenta a Mapfre que subiu ao quinto lugar no ranking das seguradoras europeias no ramo Não Vida.

A parceria estabelecida com o Bankinter para o ramo Vida "teve um forte contributo para estes resultados, pretendendo a Mapfre reforçar o crescimento em Portugal, nomeadamente através de novas ferramentas de negócio" e de uma rede própria de distribuição, que deverá passar as atuais 79 para 125 lojas até 2020, realça a informação.

O setor das empresas representava, no início de 2017, 43% do volume de negócios da seguradora.

No primeiro semestre, o grupo Mapfre anunciou um lucro de 415 milhões de euros, mais 9,1% do que em igual período do ano passado, impulsionado pelos negócios em Espanha e Brasil.

De acordo com um estudo e ranking europeu, publicado pela Fundação Mapfre e agora citado, o segmento Não Vida teve um desempenho melhor que o de Vida, "devido a uma contração do seguro de vida nos mercados avançados, que não tinha sido totalmente compensada pelo rápido crescimento dos países emergentes, em especial a China".

Neste segmento de mercado, os 15 principais grupos seguradores europeus emitiram 250 mil milhões de euros em prémios de seguros Não Vida, um valor idêntico ao do ano anterior.

Apesar da depreciação da libra e das moedas latino-americanas face ao euro, aponta a Mapfre, o resultado líquido agregado dos 15 maiores grupos seguradores europeus aumentou 6,4% em 2016 em relação ao exercício anterior, ascendendo a 30,1 mil milhões de euros.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.