Volta ao Algarve: John Degenkolb corre em Algarve "especial" antes de clássicas

O alemão John Degenkolb (Trek-Segafredo) está a correr a Volta ao Algarve em bicicleta, uma corrida "especial" por ter aqui conseguido a primeira vitória como profissional, antes de apostar nas clássicas da primavera.

Em declarações à Lusa, o alemão de 30 anos lembrou as "grandes memórias" que conseguiu numa corrida "especial".

"Foi há muito tempo, em 2011, mas foi aqui que consegui a primeira vitória como profissional", recorda o 'sprinter', referindo-se ao triunfo na segunda etapa da 'Algarvia' de 2011.

Nesse dia, numa ligação de 186,5 quilómetros entre Lagoa e Lagos, Degenkolb impôs-se ao norte-americano Tyler Farrar, segundo, e ao australiano Michael Matthews.

O triunfo foi o primeiro de uma lista de dezenas de registos, com destaque para as 10 vitórias em etapas da Volta a Espanha, nas clássicas de Milan-Sanremo e Paris-Roubaix, em 2015, erguendo os braços também na Volta a França de 2018.

Em 2014, ano em que venceu a Gent-Wevelgem, na Flandres, e foi segundo no Paris-Roubaix, correu o 'Tour' sem grandes resultados, mas 'explodiu' na 'Vuelta: quatro vitórias em etapa e a classificação por pontos, num ano em que ainda foi nono na corrida de estrada dos Mundiais.

Esta temporada, Degenkolb chegou ao Algarve já 'rodado', com quatro corridas, tendo vencido no quarto e último dia da Volta à Provença, e encontra-se no sul de Portugal a preparar as clássicas de primavera.

"O meu objetivo, aquilo que quero, é estar de volta às clássicas e fazê-lo ao mais alto nível, quero lutar pela vitória nessas provas", atira.

A região algarvia, e a Volta ao Algarve, apresentam-se como uma boa antecâmara para as clássicas. "É uma boa corrida, e é muito difícil. Com a queda, ainda mais", refere.

A queda na primeira etapa, que o arredou de lutar pelo primeiro 'sprint' da 45.ª edição, deixou mazelas visíveis nas pernas do alemão, que assume que a tarefa é "mais difícil" para a quarta tirada, disputada hoje entre Albufeira e Tavira.

No primeiro dia, o holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck-Quick Step) impôs-se na chegada a Lagos, com Degenkolb ou o holandês Dylan Groenewegen (Team Jumbo-Visma) arredados da luta por terem sido apanhados na queda.

"Ainda não sei [se vou disputar a vitória], porque tenho de ver como me sinto. Tenho de sobreviver e veremos", referiu, sublinhando que "perde-se muita energia numa queda como a do primeiro dia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.