Virgílio Tyova é o sexto governador na história da província angolana do Cunene

O ex-deputado do MPLA Virgílio Tyova tornou-se o sexto governador da província angolana do Cunene, depois de ter sido nomeado na quarta-feira pelo Presidente angolano, João Lourenço.

Virgílio Tyova, jurista, sucede a Kundi Paihama, que foi o primeiro governador da província mais a sul de Angola.

O novo governador do Cunene já exerceu vários cargos na arena política e no aparelho do Estado, tendo sido segundo secretário provincial do MPLA na Huíla e administrador municipal do Lubango, cidade capital desta província.

João Lourenço exonerou na quarta-feira seis governadores, entre eles o do Cunene.

No histórico de governadores da província do Cunene figuram Kundi Paihama (1976/79 e 2016/18), Ary da Costa (1979/81), Pedro Mutinde (1981/2008) e António Didalelwa (208/16).

A província do Cunene celebra em 10 de julho o seu aniversário desde que foi desanexada do então distrito da Huíla, em 1970.

A província do Cunene tem uma superfície territorial de 77,213 quilómetros quadrados, composta administrativamente por seis municípios e 20 comunas, tendo como sua capital a cidade de Ondjiva.

A província conta com uma população de quase um milhão de habitantes que, na grande maioria, vive nas zonas rurais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.