Violência doméstica: GNR de Pombal detém suspeito de agressões e ameaças de morte à companheira

A GNR de Pombal anunciou hoje a detenção de um homem, em flagrante delito, suspeito de agressões e ameaças de morte à sua companheira.

Em nota de imprensa, o Comando Territorial de Leiria informa que, através do Posto Territorial de Pombal, deteve no domingo, em flagrante delito, um homem, de 38 anos, pelo crime de violência doméstica, no concelho de Pombal, após denúncia da alegada vítima.

Segundo o comunicado, a mulher de 40 anos solicitou auxílio à GNR quando estava a ser vítima de agressões e ameaças de morte, com recurso a uma faca, por parte do seu companheiro.

"Os militares, quando chegaram ao local, depararam-se com o suspeito a ameaçar a vítima, com a faca na mão", e impediram "que este realizasse a intenção das suas ameaças, tendo detido o agressor e apreendido a arma branca que ostentava durante as agressões à vitima", lê-se ainda na nota.

Fonte da GNR disse à Lusa que o alegado agressor não tem antecedentes por violência doméstica.

Após ter sido sujeito a primeiro interrogatório judicial, o juiz de instrução criminal decretou a medida de coação de "termo de identidade e residência e afastamento da vítima", referiu a mesma fonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.