Vinte artistas de 13 países nos Encontros Mágicos de Coimbra

A edição deste ano dos Encontros Mágicos de Coimbra, que decorre de terça-feira e dia 23, conta com a participação de duas dezenas de artistas oriundos de 13 países, anunciou hoje a organização.

Promovido pela Câmara de Coimbra e pela Luís de Matos Produções, a edição de 2018 do Festival Internacional de Magia de Coimbra integra um total de mais de uma centena de espetáculos, protagonizados por artistas oriundos da Alemanha, da Argentina, do Chile, da Coreia do Sul, da Eslovénia, de Espanha, de França, da Inglaterra, de Itália, do Japão, do Peru, da Rússia e de Portugal.

Os 127 espetáculos do festival deste ano voltarão a acontecer no centro histórico da cidade e em espaços da periferia urbana, para além do Hospital Pediátrico, do Instituto de Oncologia e do Estabelecimento Prisional de Coimbra, no âmbito da "componente solidária", que "é uma das mais indeléveis marcas dos Encontros Mágicos", sustentou a vereadora da Câmara de Coimbra Carina Gomes, na sessão de apresentação do evento, hoje à tarde, nos Paços do Concelho.

Em edições anteriores, "os Encontros Fotográficos de Coimbra uniram-se aos Encontros Mágicos fazendo deslocar a Coimbra centenas de fotógrafos atraídos pelo evento", recordou a vereadora responsável pelo pelouro da cultura, assegurando que, "este ano, essa iniciativa espontânea e independente estará ainda mais entrosada" no festival.

As aulas de magia, realizadas pela primeira vez na edição em 2015, repetem-se este ano, "possibilitando a dezenas de jovens um curso de iniciação à arte mágica" ou "dando continuidade ao trabalho desenvolvido nos anos anteriores", disse Carina Gomes, anunciando a realização, em 2018, de "uma aula de magia para crianças com necessidades especiais".

O mágico chileno Juan Esteban Varela regressa este ano ao festival para promover Magia na Escuridão, "uma experiência verdadeiramente inclusiva, sem precedentes", que "convida a comunidade invisual a "ver" um espetáculo de magia em que o sentido da visão não intervém", revelou Luís de Matos, igualmente durante a sessão de apresentação do programa do festival deste ano.

Atendendo ao "mega êxito do ano passado, Coimbra voltará a receber o espetáculo Magia na Escuridão" de Juan Esteban Varela, "o reconhecido mago chileno", que volta ao Convento São Francisco, entre terça-feira e dia 22, para protagonizar "um espetáculo desenhado para invisuais" e ao qual os não invisuais poderão "assistir e sentir", depois de lhe serem colocadas vendas nos olhos, para que vivam esta "experiência única em circunstâncias tendencialmente idênticas", destacou Luís de Matos.

As grandes galas internacionais de Magia dos Encontros Mágicos 2018/22.º Festival Internacional de Magia de Coimbra terão lugar no Convento São Francisco, no dia 21 e 22, voltando, por outro lado, o Festival a integrar um pré-programa, que decorre no sábado e no domingo, na Figueira da Foz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.