Vigilantes da natureza querem ter carreira especial e ser órgão de polícia criminal

Os vigilantes da natureza defendem que devem ter uma carreira especial, querem ser considerados órgão de polícia criminal e agente de proteção civil, pedem a abertura de concursos para promoção e insistem na urgência de descongelar vagas.

Num documento hoje divulgado, a Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza (APGVN) lista um conjunto de propostas para a "dignificação da profissão", que atualmente tem cerca de 140 elementos.

O número de efetivos "atingiu um patamar muito preocupante", defende a associação, que salienta ser "urgente a adoção de medidas extraordinárias de descongelamento de vagas para a carreira de vigilante da natureza", assim como a abertura dos procedimentos de concurso, "como tem vindo a acontecer com outras carreiras onde não têm existido restrições nas admissões".

"A segurança de pessoas e bens é muito importante mas a proteção da natureza também o deveria ser", alerta a APGVN, liderada por Francisco Correia.

A entidade solicita que a carreira de vigilante da natureza seja definida como especial e quer a atualização do seu conteúdo funcional, nomeadamente que "seja considerado órgão de polícia criminal" e agente de proteção civil, além de pedir que seja implementada uma portaria de 1992 que regulamenta o uso e porte de arma.

"À maioria dos vigilantes da natureza é negada a possibilidade de promoção na carreira há mais de duas décadas, o que não acontece com as restantes carreiras da função pública, pelo que requeremos a abertura de concursos para promoção, que consideramos da mais elementar justiça", realça a associação.

Outras propostas são a reposição do regime de aposentação voluntária aos 55 anos de idade e a integração do valor do subsídio de risco no salário.

Os grandes incêndios florestais deste verão, que provocaram mais de 100 mortes, destruíram vastas áreas de natureza, casas e empresas, trouxeram, mais uma vez, à discussão o número de vigilantes da natureza considerado por todos - ambientalistas, especialistas e partidos políticos - insuficientes.

No início de novembro, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes disse no parlamento que 20 novos vigilantes da natureza já tinham começado a trabalhar e mais 30 iriam juntar-se ao grupo assim que o processo relacionado com o concurso estivesse pronto.

No documento agora divulgado, a associação dos vigilantes da natureza recorda igualmente outra carência, a acrescentar aos meios humanos, ao apontar "a falta de meios operacionais para o exercício das suas funções", principalmente viaturas, meios informáticos e de comunicação.

"Não pode haver áreas protegidas, nem conservação da natureza, sem a presença permanente, no terreno, de vigilantes da natureza, eles são, em todo o mundo, a alma dos parques e reservas", salienta.

O Corpo Nacional de Vigilantes da Natureza, recorda a associação, "nunca obteve o reconhecimento dos decisores", e a partir de 1999 registou "uma diminuição de efetivos que se tornou preocupante".

"Por coincidência, ou não, nas últimas épocas de caça aumentou significativamente o número de aves feridas a tiro, mesmo de espécies protegidas por lei, que deram entrada nos Centros de Recuperação", justifica.

"Não queremos tirar conclusões apressadas, mas o fenómeno pode ter alguma relação com a diminuição de vigilantes da natureza no terreno. De facto, os caçadores menos conscientes podem, agora, atuar com grande impunidade e estão a fazê-lo", realça a APGVN.

Para os vigilantes da natureza, "não se previnem incêndios nem se combatem caçadores furtivos com esporádicas surtidas no terreno, por mais dedicação que se tenha".

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.