Vice-presidente da Madeira apela a que se aceitem empregos largando o comodismo

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira apelou hoje a quem esteja desempregado que aceite as ofertas de emprego disponibilizadas na região, deixando de lado um "certo comodismo" por receberem subsídio de desemprego.

Pedro Calado visitou duas empresas regionais no âmbito da iniciativa 'Empresas com Proximidade' e foi durante a visita à empresa de panificação Ilhopan que, perante a dificuldade observada pelos donos em contratar mais 15 funcionários, apelou a que sejam aceites as propostas que existem na região.

"Encarem este tipo de oportunidades como sendo grandes oportunidades de emprego", declarou.

Questionado se o subsídio de desemprego pode ser ou não um entrave a este tipo de situações, Pedro Calado respondeu que as pessoas podem estar um pouco acomodadas.

"Acho que é um certo comodismo que as pessoas têm por terem associado a uma outra fonte de rendimento, que é o subsídio de desemprego, outro tipo de rendimentos, paralelamente, e, neste tipo de atividade produtivas, há dificuldades em arranjar pessoas. Mas mesmo assim há pessoas inscritas no centro de emprego", disse.

Ressalvou, no entanto, que existem mecanismos na lei que permitem suspender o subsídio de emprego, mas ainda assim reconheceu ser criticado publicamente por dizer que "existe emprego" e que "as pessoas não os aproveitam".

A Ilhopan é uma empresa que tem tido apoios comunitários para a valorização dos seus recursos humanos, mas ainda com dificuldades em produzir mais devido à falta de mão-de-obra.

"Embora a região, nos últimos seis anos, tenha reduzido o número de desempregados em quase 31,5%, esta empresa precisa de 15 funcionários e continuam a ter dificuldades em arranjar pessoas", disse.

Disse ainda que a empresa tem uma "produção qualificada em termos de manuseamento, com 143 funcionários e que fatura cerca de sete milhões de euros ano".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.