Venezuela: Senador norte-americano deixas avisos a serviços secretos do país

O senador norte-americano Marco Rúbio advertiu terça-feira os funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin, serviços secretos) que os Estados Unidos darão uma resposta ao modo como atuem durante as concentrações opositoras previstas para hoje.

"Os funcionários do Sebin, na Venezuela, devem reconsiderar o plano que têm para amanhã [quarta-feira], antes que seja tarde demais", escreveu na sua conta do Twitter.

Marco António Rúbio (senador da Florida pelo Partido Republicano e um dos impulsionadores das sanções dos EUA contra funcionários do Governo venezuelano) advertiu ainda sobre possíveis consequências.

"Vocês estão prestes a cruzar a linha e provocar uma resposta que, acredito, não estarão preparados para enfrentar", avisou Marco Rúbio.

O senador escreveu que, no entanto, os funcionários dos serviços secretos venezuelanos "ainda estão a tempo de evitar isso".

O 'chavismo' e a oposição têm agendadas para hoje mobilizações em apoio e contra o Presidente Nicolás Maduro.

Em Caracas, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, partido do Governo) convocou os simpatizantes a realizarem uma grande mobilização que partirá desde vários pontos da cidade até à Plaza O'Leary, no centro de Caracas, nas proximidades do palácio presidencial de Miraflores.

O 'chavismo' pretende ainda demonstrar apoio à recente sentença do Supremo Tribunal de Justiça que anula a direção do parlamento venezuelano e declarou nulos todos os atos daquele organismo, inclusive a autorização para entrar ajuda humanitária no país.

Por outro lado, a oposição prevê realizar assembleias em todos os municípios da Venezuela, mas principalmente em Caracas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.