Venezuela: Portugal e mais quatro países da UE afirmam preocupação e pedem diálogo

Portugal, Espanha, França, Itália e Holanda manifestam "profunda preocupação" com a situação na Venezuela e reiteram o apelo para o diálogo entre o regime e a oposição, segundo uma nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros divulgada hoje.

"Os ministros dos Negócios Estrangeiros de França, Itália, Portugal, Países Baixos e Espanha reiteram a sua profunda preocupação com a deterioração da situação política e humanitária na Venezuela", lê-se na nota enviada à imprensa.

Os ministros, segundo o texto, declaram apreço pelo trabalho desenvolvido pela chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, e "encorajam-na a intensificar contactos com atores internacionais" para o rápido estabelecimento de "um grupo de contacto internacional com o objetivo de facilitar o diálogo entre as autoridades venezuelanas e a oposição para ultrapassar a atual situação".

"É crucial que a Europa veja assegurada uma participação significativa neste grupo de contacto, de modo a garantir a promoção adequada dos nossos interesses comuns", lê-se.

A nota é divulgada um dia depois de uma reunião de ministros de Negócios Estrangeiros da UE em Bruxelas, após a qual o ministro português, Augusto Santos Silva, afirmou à imprensa que "não há outra solução para a estabilidade política" da Venezuela para além do "relançamento do processo de diálogo".

"Parece-nos que, sem uma solução de estabilidade política, a gravíssima crise económica e social que a Venezuela vive não pode ser ultrapassada", salientou.

Santos Silva reiterou, nesse sentido, a necessidade de criar um grupo de contacto internacional.

"Estes acontecimentos mostram mais uma vez, do ponto de vista de Portugal -- que também é partilhado pela alta representante [para a Política Externa, Federica Mogherini] e por outros países como Espanha e Itália -- o quão urgente é constituir o grupo de contacto internacional", sublinhou.

A seu ver, isso iria permitir "dar um novo impulso ao processo político venezuelano".

Após a reunião de segunda-feira, Mogherini disse à imprensa que o grupo de contacto, cuja criação foi decidida em outubro, "pode começar a trabalhar nas próximas semanas, em fevereiro".

"Agora que a situação se está a deteriorar, queremos contribuir com um espaço para o processo político que, de momento, não existe", disse Mogherini.

A Alta Representante referiu também a reunião realizada no final da semana passada em Caracas entre o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, e embaixadores de países da UE, incluindo de Portugal, para "manter os canais abertos" e "transmitir a mensagem" europeia.

A UE não participou na tomada de posse de Maduro para um segundo mandato, a 10 de janeiro, por considerar que as eleições presidenciais "não foram justas nem livres".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.