Venezuela: População procura mantimentos no Brasil antes do fecho da fronteira

Vários venezuelanos estão a entrar no Brasil por Roraima, nomeadamente para comprar mantimentos, relata a imprensa brasileira no local, o que contraria o anuncio do governador daquele estado, que disse esta tarde que a fronteira já se encontrava fechada.

"Estamos a correr contra o tempo, o mais rápido possível, para podermos passar antes que a fronteira feche", disse ao portal de notícias G1 Genson Medina, um venezuelano de 22 anos que na tarde de hoje comprou mantimentos em Pacaraima, município do estado de Roraima.

Também o morador da cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén, Nelson Rodrigues, confirmou ao G1 que decidiu comprar no Brasil o dobro dos produtos alimentares por precaução.

"Vou levar mais por precaução. Fechar a fronteira é ruim porque nós precisamos de comprar comida aqui", disse Nelson, numa referência à escassez de comida e medicamentos que o seu país atravessa.

Já Osmar Cardoso, um comerciante brasileiro de 55 anos, afirmou que perdeu a conta ao número de produtos vendidos, declarando que esgotou "tudo muito rápido".

A informação transmitida pela imprensa brasileira que se encontra no terreno contraria a mensagem transmitida hoje pelo governador de Roraima, Antonio Denarium, de que a fronteira já teria sido encerrada pelas 14:00 locais (18:00 em Lisboa).

À agência Lusa, habitantes no local confirmaram que a fronteira entre o Brasil e a Venezuela ainda se mantinha aberta.

O taxista Eliseu Dias, morador em Pacaraima, capital de Roraima, contou à Lusa que até às 16:20 locais (20:20 em Lisboa), a fronteira do Brasil com a Venezuela estava aberta.

"Fui lá dentro, em Santa Elena de Uairén [do lado venezuelano], e estão falando que vão fechar a fronteira. Está todo o mundo agitado do lado de lá. Acabei de abastecer meu carro em Santa Elena e voltei para o Brasil. Está todo a gente apavorada, vendendo gasolina, vendendo as coisas para comprar alimentos aqui", contou.

O morador disse que o comércio na cidade de Pacaraima continua muito movimentado, mas que já não há pessoas a dormir nas ruas.

"Tem muitos venezuelanos aqui, parece uma feira, mas não estão dormindo nas ruas mais. Vejo também muitos deles descendo na estrada em direção ao Brasil e a Boa Vista", descreveu.

Apesar de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ter anunciado hoje o encerramento da fronteira entre os dois países sul-americanos, o governador de Roraima acredita que isso não impedirá a entrada de ajuda humanitária na Venezuela.

"[O encerramento da fronteira] não vai impedir a distribuição da ajuda humanitária. Acredito que, mesmo que esses géneros alimentícios e medicamentos estejam em território brasileiro, não haverá dificuldades em distribui-los entre os venezuelanos, mesmo com a fronteira fechada. É atravessar e pegar na ajuda", disse o governador ao portal G1.

"A fronteira é seca (terrestre). Então, se uma pessoa não quiser passar pela fronteira, onde é o local oficial, passa pelas 'laterais'. Temos 1.850 quilómetros de fronteira", acrescentou.

Nicolás Maduro ordenou hoje o encerramento das passagens de fronteira da Venezuela com o Brasil, e disse que está a avaliar fazer o mesmo na fronteira com a Colômbia.

"Decidi (que) no sul da Venezuela (...) a partir das 20:00 de hoje (00:00 de sexta-feira em Lisboa) (...) fica encerrada total e absolutamente, até nova ordem, a fronteira terrestre com o Brasil", anunciou Maduro numa reunião com militares no forte Tiuna de Caracas, o maior quartel do país.

Numa mensagem na rede social Twitter, justificou a decisão como "ações para proteger a paz nacional".

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.