Venezuela: Número de presos políticos desceu numa semana de 911 para 866 - ONG

O número de presos políticos baixou na última semana na Venezuela de 911 para 866, segundo dados divulgados hoje pela organização não-governamental Foro Penal (FP).

Segundo uma informação que publicou na rede social Twitter, o presidente da FP, Alfredo Romero, aqueles dados vão ser enviados ao secretário-geral da Organização de Estados Americanos e ao escritório da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, "para verificação e certificação".

Segundo o FP, dos 866 presos políticos, 91 são militares e 775 civis, 779 são homens e 87 mulheres, dos quais 861 adultos e 5 adolescentes.

Noutra mensagem também no Twitter, Alfredo Romero escreveu que 8.090 pessoas estão em liberdade mas "submetidas a processos penais injustos, por motivos políticos, sob medidas cautelares", que incluem regime de apresentação periódica perante um tribunal a proibição de saída do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.