Venezuela: Médicos e enfermeiros protestaram em 19 dos 24 Estados do país

Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde protestaram na quinta-feira em 19 dos 24 Estados da Venezuela, alertando para a crise hospitalar e exigindo melhorias salariais.

Os protestos, segundo o presidente da Federação Médica da Venezuela (FMV), Douglas León Natera, começaram já há 18 dias em Caracas e foram-se expandindo pelo país.

Desde então, têm-se registado manifestações, caravanas, concentrações de protestos e paralisação parcial das atividades dos centros de saúde, com os profissionais a exigirem ter um salário equivalente ao dos militares, setor que, segundo a imprensa local, são dos mais bem pagos e recebem frequentes aumentos.

Os profissionais queixam-se de que os baixos salários os impedem de enfrentar a inflação diária de 2,8% e comprar os produtos do cabaz básico alimentar.

Um médico explicou hoje à agência Lusa que a crise está a afetar também o setor privado, onde as consultas especializadas custam pouco mais de um euro, à taxa de câmbio oficial, pouco menos que o salário mínimo integral (com todos os subsídios incluídos).

Os profissionais queixam-se de que cobram um valor "quase simbólico" pelas consultas e serviços, porque "as pessoas não têm dinheiro", num país onde medicamentos para a diabetes, por exemplo, custam mais de um salário mensal.

Por outro lado, os enfermeiros e pacientes dos hospitais venezuelanos queixam-se da falta de produtos básicos essenciais naqueles organismos.

Os familiares têm, por exemplo, de reunir dinheiro até para comprar o algodão e as gazes.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.