Venezuela: Médicos e enfermeiros protestaram em 19 dos 24 Estados do país

Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde protestaram na quinta-feira em 19 dos 24 Estados da Venezuela, alertando para a crise hospitalar e exigindo melhorias salariais.

Os protestos, segundo o presidente da Federação Médica da Venezuela (FMV), Douglas León Natera, começaram já há 18 dias em Caracas e foram-se expandindo pelo país.

Desde então, têm-se registado manifestações, caravanas, concentrações de protestos e paralisação parcial das atividades dos centros de saúde, com os profissionais a exigirem ter um salário equivalente ao dos militares, setor que, segundo a imprensa local, são dos mais bem pagos e recebem frequentes aumentos.

Os profissionais queixam-se de que os baixos salários os impedem de enfrentar a inflação diária de 2,8% e comprar os produtos do cabaz básico alimentar.

Um médico explicou hoje à agência Lusa que a crise está a afetar também o setor privado, onde as consultas especializadas custam pouco mais de um euro, à taxa de câmbio oficial, pouco menos que o salário mínimo integral (com todos os subsídios incluídos).

Os profissionais queixam-se de que cobram um valor "quase simbólico" pelas consultas e serviços, porque "as pessoas não têm dinheiro", num país onde medicamentos para a diabetes, por exemplo, custam mais de um salário mensal.

Por outro lado, os enfermeiros e pacientes dos hospitais venezuelanos queixam-se da falta de produtos básicos essenciais naqueles organismos.

Os familiares têm, por exemplo, de reunir dinheiro até para comprar o algodão e as gazes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...