Venezuela: Maduro ordena "uma revisão total" das relações com os Estados Unidos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje ter ordenado "uma revisão total" das relações com os Estados Unidos.

Este anúncio surgiu depois de o vice-Presidente norte-americano, Mike Pence, declarar apoiar o presidente do parlamento da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, e manifestar que vai estar ao lado do povo venezuelano, até que seja restituída a democracia no país.

"Decidi e dei a ordem ao ministro de Relações Exteriores, Jorge Rodríguez, para iniciar uma revisão total, absoluta, das relações com o Governo dos Estado Unidos e nas próximas horas tomaremos decisões" de caráter político e de defesa da Constituição, declarou.

Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, numa cerimónia do segundo aniversário do Cartão Pátria, que permite o acesso dos beneficiários a programas estatais e a subsídios.

Durante o discurso, transmitido em direto e de maneira obrigatória pela rádios e televisões do país, Maduro instruiu o Ministério Público para castigar os cidadãos que, na noite de segunda-feira, incendiaram a Casa da Cultura Robert Serra, em Caracas.

"Que busquemos e metamos estes terroristas na cadeia, e todos os que apareçam [vinculados] e quem os financia", disse.

Nicolás Maduro acusou o partido opositor Voluntad Popular, ao qual pertence o presidente do parlamento, Juan Guaidó, de estar envolvido no roubo de armamento de uma instalação militar, na segunda-feira.

Por outro lado, explicou que as forças revolucionárias venezuelanas não se deixam intimidar por ameaças imperialistas.

"Nada nos intimida, porque estamos decididos a dar a nossa vida pelo futuro da Venezuela, pelo povo heroico da Venezuela", disse.

Na terça-feira, Mike Pence divulgou um vídeo, no qual chamou ditador ao Presidente venezuelano, afirmando que estará do lado do povo venezuelano até que seja restituída a democracia no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.