Venezuela: Catorze mortos em operação policial contra grupo criminoso

Doze alegados criminosos e dois oficiais do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC, antiga Polícia Técnica Judiciária) morreram hoje durante uma operação policial no estado venezuelano de Carabobo, no centro-norte do país.

Segundo o diretor do CICPC, Douglas Rico, a operação policial ocorreu em La Guaricham e visou desarticular um grupo criminoso que tinha desalojado "mais de 200 famílias que faziam vida" nesta zona daquele estado.

Os suspeitos estariam envolvidos em roubos de viaturas, sequestros e homicídios, tendo sido confiscadas duas espingardas, seis pistolas, quatro revólveres, duas granadas fragmentárias, uma bomba de gás lacrimogéneo e um rádio transmissor, informou o CICPC.

Durante a operação das forças de segurança, os oficiais deslocaram-se a uma casa onde foram recebidos por um homem de 80 anos que disse não haver ninguém na habitação.

No entanto, ao efetuar uma rusga, os elementos foram surpreendidos por um homem que disparou contra os oficiais, provocando a morte de um inspetor e de um detetive.

Na Venezuela são frequentes as queixas da população sobre a insegurança no país, tema que ocupa diariamente várias páginas dos jornais.

Segundo a organização não governamental Observatório Venezuelano de Violência, em 2017 foram assassinadas 26.616 pessoas na Venezuela, o que corresponde a 89 mortes violentas por cada 100.000 habitantes e faz com que o país seja considerado como um dos mais violentos do mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.