Venezuela: Bispos católicos apelam às forças de segurança para que protejam o povo

A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) apelou terça-feira às forças de segurança para que protejam a população durante as marchas a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro, vincando, no entanto, que os venezuelanos reclamam uma mudança política.

"Apelamos, como cidadãos, às Forças Amadas e aos vários órgãos de segurança do Estado a que protejam a população, a acompanhá-la e respeitá-la com um sentido cívico perante as demandas pelos seus direitos e de novas realidades no contexto político", lê-se num comunicado divulgado pela CEV, em Caracas.

O documento explica que "proteger os cidadãos, ou seja, o povo a que pertencem as suas próprias famílias e que sofrem os mesmos problemas".

"A defesa da liberdade tem custado muito sangue e muito sofrimento (...) Nesse sentido, devem atender ao clamor dos seus irmãos venezuelanos para que tudo decorra em paz", sublinha a mesma nota.

No documento, os bispos advertem que "existem grupos anárquicos que geram violência".

"São estes grupos os que os órgãos de segurança do Estado devem travar, ao defender a população civil que marchará de forma pacífica. Obedeçam à vossa consciência como venezuelanos. O valor da vida e a liberdade são indiscutíveis, não se negoceiam e Deus não quer que o povo sofra injustiças por submissão", explicam.

Por outro lado, os bispos fazem um alerta aos grupos violentos, "seja qual for a origem e orientação", para que "se unam à sã convivência e à concórdia que tanto pedem os venezuelanos, deixando para trás todo o tipo de violência".

O comunicado recorda que a data de 23 de janeiro de 1958 é histórica para todos os venezuelanos (queda da ditadura de Marcos Pérez Jiménez), um "sinal inspirador do triunfo da racionalidade social perante o abuso de poder, da unidade do povo que se encontrava débil perante a desarticulação de um regime de atropelos, de corrupção e de repressão que encobria, dentro de si, todos os males que um governo autoritário pode ter".

"Desde essa data o país marchou pela via do desenvolvimento, com uma democracia que conseguiu fazer germinar valores em várias gerações", sublinha a mesma posição.

Para a CEV, hoje os venezuelanos "encontram-se novamente com outro 23 de janeiro, aos 61 anos daquele acontecimento que foi significativo na luta pela civilidade perante a barbárie".

O comunicado refere que os bispos "estão conscientes do sofrimento a que o povo tem sido submetido pela ação governamental", acrescentando que os venezuelanos vivem "uma situação dramática e de extrema gravidade pelo deterioração do respeito pelos seus direitos e da qualidade de vida", vivendo "numa crescente pobreza" e "sem ter quem acudir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.