Utentes de Loures passam a poder receber medicamentos em casa a partir de março

Os habitantes do concelho de Loures, no distrito de Lisboa, vão dispor a partir de março de um serviço que lhes permite receber medicamentos em casa a qualquer hora, através de um projeto desenvolvido pelas farmácias locais.

O projeto "Medicamentos Agora em Sua Casa" é promovido pelo movimento 'Loures tem mais Saúde' e estará disponível a partir do dia 12 de março, em fase experimental, segundo disse à agência Lusa o porta voz do movimento, André Soares.

"Trata-se de um projeto que nasce através das farmácias do concelho de Loures que verificaram a existência de grandes assimetrias no território. É um concelho enorme com características urbanas e rurais e com algumas zonas mais recônditas", justificou.

Este projeto consiste, segundo explicou André Soares, na disponibilização de um número telefónico gratuito, através do qual os utentes poderão fazes chegar os pedidos, "24 horas por dia e 365 dias por ano".

Depois, a central telefónica, com supervisão farmacêutica permanente, informará os utentes sobre quais as farmácias com os medicamentos ou outros produtos disponíveis no imediato, permitindo escolher a farmácia e decidir se prefere deslocar-se até ela ou receber os produtos em casa, num prazo de duas horas.

André Soares ressalvou que, pelo menos, durante a fase experimental do projeto, que se estima ser até julho, as entregas domiciliarias serão gratuitas.

O responsável referiu que os fármacos e outros produtos de saúde serão disponibilizados ao domicílio em malas medicalizadas, com temperatura controlada e que, no final, os utentes irão receber uma chamada para confirmar o sucesso das entregas.

O serviço "Medicamentos Agora em Sua Casa" irá permitir, igualmente, receber receitas médicas por SMS ou por email.

Nesta fase integram este projeto mais de 40 farmácias, o que representa uma cobertura de 95% das existentes no concelho de Loures.

O porta-voz do movimento "Loures tem mais Saúde" considerou que "o sucesso deste projeto poderá permitir que ele venha a ser implementado noutras partes do país".

Atualmente, existe um projeto semelhante no distrito de Bragança, mas que apenas se destina a medicamentos prescritos durante o período noturno, em contexto de urgência, nos quatro serviços existentes na região, nomeadamente as urgências médico-cirúrgicas de Bragança e Mirandela, e as básicas de Macedo de Cavaleiros e Mogadouro.

Este serviço, iniciado em dezembro de 2017, surgiu no âmbito do projeto SAFE - Serviço de Assistência Nacional Farmacêutica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.