UTAD e Câmara de Penafiel monitorizam focos de poluição no rio Sousa

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Câmara de Penafiel iniciaram a caracterização de um troço do rio Sousa para monitorizar a poluição daquele afluente do Douro, disse hoje à Lusa fonte autárquica.

"Este é um trabalho muito específico e minucioso que vai permitir caracterizar os episódios de poluição, perceber a sua frequência e a sua origem", explicou Susana Oliveira, vereadora do Ambiente.

A autarca assinalou que o trabalho de campo já decorre e envolve os meios do Laboratório de Ecologia Fluvial, daquela universidade, tendo como objetivo final a identificação dos focos de poluição que vão ocorrendo pontualmente.

"Queremos perceber as causas da poluição no rio Sousa", acentuou, indicando que foram os serviços de proteção civil da autarquia que propuseram a realização do estudo.

Os técnicos da UTAD, disse, estão a estudar cerca de seis quilómetros de rio, num troço com características urbanas e semiurbanas, entre as zonas de Espindo e São José, nas proximidades da sede do concelho.

A caracterização ecológica inclui o levantamento e inventariação de habitats e a seleção de três estações de amostragem, com monitorização da qualidade biológica da água.

A equipa do Laboratório de Ecologia Fluvial vai também instalar uma estação de vigia e monitorização contínua da qualidade da água, para registar os níveis hidrométricos do rio Sousa, na ponte de Novelas.

A monitorização permitirá elaborar registos técnicos e relatórios com a cronologia das ocorrências e as suas características, garantindo ao município informações rigorosas sobre o estado do rio, concluiu a vereadora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.