Universidade disponibiliza bicicletas à comunidade académica de Vila Real

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, disponibiliza a partir de sábado as primeiras 30 bicicletas elétricas no âmbito do projeto nacional de mobilidade U-Bike que quer desincentivar o uso do automóvel.

A cerimónia conta com a presença do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que foi convidado a participar num passeio de bicicleta entre a praça do município e o 'campus' da academia transmontana.

"Os modos suaves de deslocação, a mobilidade elétrica e a mobilidade pouco poluente são fundamentais numa política de sustentabilidade e contribuem de forma decisiva para a descarbonização e na melhoria do desempenho ambiental do 'campus' da UTAD, indo ao encontro de uma estratégia alargada para um 'ecocampus' mais sustentável", afirmou Amadeu Borges, pró-reitor para a área do Património e Sustentabilidade.

O projeto U-Bike UTAD prevê a aquisição de 300 bicicletas, das quais 270 são elétricas, para utilização pela comunidade académica.

Amadeu Borges adiantou que a totalidade das bicicletas será disponibilizada gradualmente até ao final do ano e explicou que, quem as quiser utilizar, tem que se escrever previamente numa plataforma para adesão ao programa.

Integrado na mesma estratégia, também no sábado entrarão em funcionamento os dois postos de carregamento de viaturas elétricas instalados no 'campus' e integrados na rede mobi.e, bem como entram ao serviço duas novas viaturas elétricas ao serviço da academia.

A entrega de bicicletas está inserida no ECO@UTAD, um evento que quer promover a sustentabilidade, que decorre durante 24 horas e inclui cerca de 30 iniciativas, desde concertos, artes performativas e ateliers.

O palco é o Jardim Botânico que se estende por 130 hectares no campus da academia, em Vila Real.

"O ECO@UTAD tem como objetivo dar a conhecer este espaço de excelência que é o ecocampus da UTAD. Pretendemos promover a ecossustentabilidade e a biodiversidade, em todas as suas vertentes, baseadas em quatro vetores essenciais: o ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente diverso", salientou Amadeu Borges.

O programa começa a olhar para a estrelas, com a colaboração do Núcleo de Astronomia da UTAD, e percorre todas as horas do dia com música, artes performativas, oficinas para crianças e famílias, ateliers de artesanato, diferentes visitas guiadas pelas coleções temáticas permitindo observar a biodiversidade presente no Jardim Botânico.

Em articulação com o Corpo Nacional de Escutas, será ainda realizado um acampamento, onde se pretende evidenciar as boas práticas ambientais e de sustentabilidade nos espaços naturais.

Inclui ainda uma caminhada pela antiga linha do comboio e, entre outras atividades, um piquenique onde os visitantes do ECO@UTAD são convidados a levar a merenda e partilhar as mantas que serão disponibilizadas pela universidade.

Por cada pessoa que aderir a este evento, a UTAD vai oferecer uma árvore para posterior plantação em área a definir em articulação com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Está prevista a doação de um total de 6.000 árvores e, para o evento de plantação a realizar a partir de novembro, serão convidadas todas as pessoas que tenham participado no ECO@UTAD.

Na UTAD atuarão ainda o rancho ADC Constantim, o grupo de bombos Os janotas, Tó Trips & João Doce, o Avô Cantigas e o projeto Sons do Douro, que transformou pipas de vinho em instrumentos musicais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.