Universidade de Lisboa investe 30 milhões em alojamento para estudantes

Lisboa, 24 abr 2019 (Lusa) -- A Universidade de Lisboa está a investir 30 milhões de euros em alojamento para estudantes e terá quase 200 novas camas dentro de um mês, disse hoje o reitor, António Cruz Serra.

António Cruz Serra falava na cerimónia de apresentação do anteprojeto para a Cantina II da Universidade de Lisboa, ao lado da Cidade Universitária, que será também ela convertida em residência estudantil.

Dentro de dois anos, quando as obras estiverem prontas, as instalações vão comportar 197 camas, num investimento de 5,6 milhões de euros.

Na apresentação do anteprojeto, com a presença do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, o reitor da Universidade de Lisboa fez um balanço da situação em termos de alojamento universitário.

Além da cantina que será transformada, com as obras a começarem em breve, já no próximo mês (ou o mais tardar em junho) será inaugurada a primeira fase de uma residência no bairro da Ajuda, com 196 camas, que custou cerca de quatro milhões de euros.

Na próxima semana, adiantou, será lançada a segunda fase da construção da residência da Ajuda, que contempla mais 120 camas e que deve estar terminada no final do próximo ano.

Para a Cidade Universitária já foi entregue o projeto de arquitetura para o primeiro edifício da "nova praça", com 300 camas, devendo o projeto de execução ser entregue, no limite, até 15 de junho, disse também António Cruz Serra.

"A estimativa é que no final de 2021 possamos ter as primeiras 300 camas na Cidade Universitária", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.