Universidade 24 horas aberta para promover a sustentabilidade em Vila Real

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro vai estar de portas abertas durante 24 horas, no dia 22, para acolher a iniciativa ECO@UTAD, que visa promover a sustentabilidade e que inclui jogos, concertos, artes performativas e ateliers.

O palco para o evento é o Jardim Botânico que se estende por 130 hectares no campus da academia, em Vila Real.

"O ECO@UTAD visa a promoção da sustentabilidade nos seus quatro pilares fundamentais: o ecologicamente correto, o economicamente viável, o socialmente justo e o culturalmente diverso", afirmou hoje à agência Lusa Amadeu Borges, do laboratório de Ciências Térmicas, que está inserido na Escola de Ciências e Tecnologia.

O campus vai ficar 24 horas seguidas de portas abertas à comunidade e, nesse mesmo dia, serão ainda entregues à academia as primeiras bicicletas do projeto de mobilidade U-bike.

Amadeu Borges elencou as várias iniciativas que estão a ser preparadas e que incluem jogos, concertos, artes performativas e ateliers.

As atividades começam às 00:00 do dia 22 de setembro, com a observação de estrelas, um acampamento dentro do campus e onde será possível acordar "com a biodiversidade" e ver como acordam também os "outros" habitantes do jardim.

O programa inclui uma caminhada pela antiga linha do comboio, uma oficina de arqueologia experimental e ainda oficinas para crianças, onde poderão criar bonecos de paus, bugalhos e sementes oferecidas pela natureza, aprender a moldar o barro ou fazer espanta espíritos.

Haverá ainda atividades de cestaria, tanoaria e um atelier de fotografia, bem como a presença da Associação de Paralisia Cerebral de Vila Real, que vai desafiar a enfrentar os problemas do dia a dia na "pele" de uma pessoa com mobilidade reduzida.

Na UTAD atuarão ainda o rancho ADC Constantim, o grupo de bombos "Os janotas", Tó Trips & João Doce, o Avô Cantigas e o projeto Sons do Douro, que transformou pipas de vinho em instrumentos musicais.

A entrada é gratuita e, por cada pessoa que aderir a este evento, a UTAD oferecerá uma árvore para posterior plantação, a realizar depois de novembro, em área a designar em articulação com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), estando prevista a doação de um total de 6.000 árvores.

A iniciativa envolve diferentes entidades e associações locais, desde a Câmara de Vila Real, o Corpo Nacional de Escutas, a Associação de Paralisia Cerebral de Vila Real e o ICNF.

O ECO@UTAD está a ser organizado pela Escola de Ciências e Tecnologia, através do Laboratório de Ciências Térmicas, que se dedica ao estudo e conversão de produtos considerados desperdícios em energia.

"Estamos a falar, por exemplo, de resíduos sólidos urbanos, dos sobrantes das florestas e que podem ser convertidos quer em biomassa sólida, quer em biomassa gasosa, e, a partir daí, serem usados como combustíveis para aquecimento ou produção de eletricidade ou para automóveis", referiu Amadeu Borges.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.