UNICEF assina parceira com Televisão da Guiné-Bissau

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) assinou com a Televisão da Guiné-Bissau uma parceria para difusão de conteúdos dirigidos às crianças, refere, em comunicado hoje enviado à Lusa, aquela agência da ONU.

"Esta colaboração prevê a inovadora produção e emissão de um Jornal Infantil, para além da difusão de conteúdos variados em diversas áreas em relação às crianças, tais como a educação, saúde e nutrição, proteção, água, higiene e saneamento, proteção social, e obviamente, Comunicação", refere no comunicado a representante da Unicef, Christine Jaulmes.

A parceria está orçada em 17 milhões de francos CFA (cerca de 25 mil euros) e incluiu o donativo de uma câmara à Televisão da Guiné-Bissau.

A Unicef na Guiné-Bissau já apoia 29 rádios comunitárias e nacionais no país, que segundo o comunicado vão também "reforçar a inclusão das crianças e jovens na elaboração e disseminação de conteúdos".

"De forma geral, estas parcerias visam aumentar o conhecimento das famílias no que diz respeito às práticas familiares essenciais para a saúde da mulher e criança", salienta a representante da UNICEF.

Os Indicadores Múltiplos da ONU referentes a 2014 indicam que cinco em cada 10 mulheres e seis entre 10 homens vêm televisão pelo menos uma vez por semana na Guiné-Bissau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.