"Uma Faixa, Uma Rota" permite enfrentar riscos suscitados por guerras comerciais - Putin

Pequim, 26 abr 2019 (Lusa) - O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou hoje que a iniciativa "Uma Faixa, Uma Rota" é uma "boa oportunidade" para enfrentar "riscos" suscitados por países que querem lançar guerras comerciais e "ignoram" as normas estabelecidas pela ONU.

Putin considerou ainda que o gigantesco projeto internacional de infraestruturas lançado pela China permite "abordar de forma comum desafios" como "baixo nível de desenvolvimento e falta de acesso a tecnologia" que impulsionam a "imigração, escalada de conflitos regionais e guerras comerciais".

A ascensão ao poder de Donald Trump nos EUA ditou o início de uma guerra comercial entre Estados Unidos e China, com os dois países a aumentarem as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um.

Além de exigir uma balança comercial mais equilibrada, Trump quer que a China ponha fim a subsídios estatais para certas indústrias estratégicas, à medida que a liderança chinesa tenta transformar as firmas do país em importantes atores em atividades de alto valor agregado, como inteligência artificial ou robótica, ameaçando o domínio norte-americano nestas áreas.

Putin falava na abertura do Segundo Fórum "Uma Faixa, Uma Rota", que decorre na capital chinesa, e conta com a participação do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Este fórum é "uma boa oportunidade para conhecer as políticas que a China está a adotar e a maneira como se deseja relacionar com os outros países", acrescentou o líder russo.

"Consideramos que a iniciativa tem o objetivo de unir diferentes partes da Eurásia, o que está de acordo com a nossa política de conectividade", observou.

"Na Eurásia, todos queremos um desenvolvimento pacífico e mais comércio, e a Rússia está pronta para trabalhar com outros parceiros da nossa região para criar uma comunidade económica, com um mercado único e livre circulação de capitais e pessoas", acrescentou.

Putin revelou ainda que vai reunir hoje com o homólogo chinês, Xi Jinping, para "abordar todas estas questões" e "como articular as nossas políticas", porque "a China é o nosso parceiro natural na região".

"A Eurásia e as Novas Rotas da Seda terão o mesmo objetivo: garantir a paz, desenvolvimento e unidade, mas também lançar as bases para a inovação e proteger a nossa cultura e tradições", disse.

O Presidente chinês, Xi Jinping, inaugurou hoje oficialmente o Segundo Fórum "Uma Faixa, Uma Rota", onde participam 37 chefes de Estado ou de Governo.

Marcelo Rebelo de Sousa vai participar entre hoje e 27 de abril, e realizar uma visita de Estado, na segunda-feira. No mesmo dia, segue para Xangai, a "capital" económica do país. A visita termina a 1 de maio, em Macau.

Críticos da iniciativa chinesa têm alertado que os planos chineses subverterão a atual ordem internacional e alargarão a esfera de influência de Pequim - os países aderentes ficarão encurralados pelo investimento chinês, tornando-se Estados vassalos, permitindo à China exportar o seu excesso de capacidade industrial ou poluição.

A grande visão geoeconómica da China inclui uma malha ferroviária e autoestradas a ligar a região oeste do país à Europa e Oceano Índico, cruzando Rússia e Ásia Central, e uma rede de portos em África e no Mediterrâneo, que reforçarão as ligações marítimas das prósperas cidades do litoral chinês.

Pelo caminho, estão a ser erguidos aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre, visando dinamizar o comércio e indústria em regiões pouco integradas na economia global.

A ascensão ao poder de Donald Trump nos EUA ditou o início de uma guerra comercial, com os dois países a aumentarem as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.