Um soldado israelita morto provoca bombardeamento na Faixa de Gaza

O Exército israelita bombardeou hoje instalações militares em Gaza pertencentes ao movimento islamista Hamás, após uma jornada de tensão que provocou a morte de um miliciano palestiniano e ferimentos ligeiros num soldado israelita.

"Há pouco, aviões de combate do Exército atacaram vários centros de terror dentro de um acampamento militar do Hamás no norte da Faixa de Gaza", disse um porta-voz militar.

Os ataques foram em resposta a "vários incidentes" em que as tropas do Exército aquarteladas estacionadas na vala de separação entre os dois Estados receberam tiros provenientes do interior.

De acordo com fontes de segurança palestinianas no enclave, aviões de guerra israelitas dispararam contra uma instalação militar pertencente ao "braços armado" do Hamás, as Brigadas Ezedin al Qasam, mas aparentemente o ataque não provocou feridos.

Este ataque segue-se a um bombardeamento anterior, no qual um miliciano palestiniano foi morto, em resposta aos tiros de palestinianos na fronteira, que deixaram um soldado israelita ferido.

Após estes acontecimentos, uma fonte oficial indicou que o primeiro-ministro israelita, Benjamín Netanyahu, decidiu não permitir a entrega de dinheiro que o Qatar tinha previsto transferir quarta-feira para Gaza, como ajuda humanitária no enclave.

Segundo o Exército, "a organização terrorista Hamás é a única responsável de todos os atos de agressão na Faixa de Gaza", e as forças israelitas "estão preparadas para atuar contra todos os atos de terror que emanam deles".

A tensão no enclave costeiro palestiniano é alta desde que começaram os protestos semanais da denominada "Grande Marcha de Retorno", de 30 de março, período em que registaram sete picos de violência, com o lançamento massivo de projéteis a partir de Gaza e bombardeios israelitas de represália, contidos por frágeis tréguas.

No total, já morreram 240 palestinianos, segundo cifras do Ministério da Saúde palestiniano, um soldado israelita junto à Faixa de Gaza e outro numa operação do Exército encoberta, dentro do enclave.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.