Um soldado israelita morto provoca bombardeamento na Faixa de Gaza

O Exército israelita bombardeou hoje instalações militares em Gaza pertencentes ao movimento islamista Hamás, após uma jornada de tensão que provocou a morte de um miliciano palestiniano e ferimentos ligeiros num soldado israelita.

"Há pouco, aviões de combate do Exército atacaram vários centros de terror dentro de um acampamento militar do Hamás no norte da Faixa de Gaza", disse um porta-voz militar.

Os ataques foram em resposta a "vários incidentes" em que as tropas do Exército aquarteladas estacionadas na vala de separação entre os dois Estados receberam tiros provenientes do interior.

De acordo com fontes de segurança palestinianas no enclave, aviões de guerra israelitas dispararam contra uma instalação militar pertencente ao "braços armado" do Hamás, as Brigadas Ezedin al Qasam, mas aparentemente o ataque não provocou feridos.

Este ataque segue-se a um bombardeamento anterior, no qual um miliciano palestiniano foi morto, em resposta aos tiros de palestinianos na fronteira, que deixaram um soldado israelita ferido.

Após estes acontecimentos, uma fonte oficial indicou que o primeiro-ministro israelita, Benjamín Netanyahu, decidiu não permitir a entrega de dinheiro que o Qatar tinha previsto transferir quarta-feira para Gaza, como ajuda humanitária no enclave.

Segundo o Exército, "a organização terrorista Hamás é a única responsável de todos os atos de agressão na Faixa de Gaza", e as forças israelitas "estão preparadas para atuar contra todos os atos de terror que emanam deles".

A tensão no enclave costeiro palestiniano é alta desde que começaram os protestos semanais da denominada "Grande Marcha de Retorno", de 30 de março, período em que registaram sete picos de violência, com o lançamento massivo de projéteis a partir de Gaza e bombardeios israelitas de represália, contidos por frágeis tréguas.

No total, já morreram 240 palestinianos, segundo cifras do Ministério da Saúde palestiniano, um soldado israelita junto à Faixa de Gaza e outro numa operação do Exército encoberta, dentro do enclave.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.