Ultradireita alemã em dificuldades por financiamento irregular

Berlim, 20 abr 2019 (Lusa) -- As suspeitas de financiamento irregular das campanhas eleitorais atingem a direita ultranacionalista Alternativa para a Alemanha (AfD), que parece estagnada nas sondagens, ano e meio depois de irromper como terceira força à escala nacional.

O Ministério Público abriu um processo contra o tesoureiro da AfD, Klaus Fohrman, por presumível violação da lei de financiamento dos partidos, noticia hoje o semanário "Der Spiegel", citado pela agência Efe.

Trata-se, segundo aquele meio, de irregularidades na contabilidade correspondente a 2016 e 2017, o ano em que a AfD se converteu na primeira formação de ultradireita com lugar no parlamento federal (Bundestag) desde a década de 50 do século passado.

Estas informações seguem-se à multa de 402.900 euros imposta esta semana pelo Bundestag à formação, por angariamento irregular de donativos relacionados com campanhas eleitorais e pelos quais se responsabiliza o presidente do partido, Jorg Meuthen.

As investigações sobre a AdF, líder da oposição parlamentar desde as eleições gerais de 2017, iniciaram-se há alguns meses, ao serem revelados donativos de 130.000 euros recebidos a partir da Suíça pela líder do grupo parlamentar, Alice Weidel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.