UGT/Açores realiza congresso sob o tema crescimento, emprego e justiça social

A central sindical UGT/Açores (União Geral dos Trabalhadores) vai realizar no próximo sábado o seu congresso regional, na cidade da Horta, subordinado ao tema crescimento, emprego e justiça social.

Numa nota informativa enviadas às redações, a estrutura regional da UGT adianta que, no encontro, irá contar com a presença de 86 congressistas e será discutida a atual situação política, económica, social e laboral nos Açores, bem como os desafios que se colocam, atualmente, aos sindicatos.

Uma das questões que os sindicalistas pretendem discutir neste encontro é a necessidade de um "novo modelo de crescimento económico", que seja gerador de "empregos perenes e sustentáveis", que ajude a fixar os jovens qualificados e evitar a sua saída dos Açores, assim como o combate ao "elevado desemprego" nas ilhas.

Para a UGT/Açores, é também preciso substituir os programas ocupacionais por políticas ativas de emprego, defender a negociação coletiva como forma de combater os salários baixos, e concluir o descongelamento das carreiras na função pública regional, assim como assegurar a contagem integral do tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira dos professores, da PSP, da GNR e dos oficiais de justiça.

O III Congresso Regional da UGT/Açores elegerá também os novos órgãos sociais para o próximo mandato (2018/2022).

O líder da central sindical a nível nacional, Carlos Silva, estará presente no congresso da UGT/Açores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.