UGT retira proposta para suspender contribuições para o Fundo de Compensação do Trabalho

Lisboa, 19, dez (Lusa) -- A UGT retirou hoje a proposta para suspender as contribuições das empresas para o Fundo de Compensação do Trabalho, alegando que o Governo e as confederações patronais não estão disponíveis para aumentar o salário mínimo acima dos 580 euros.

À entrada para a reunião da concertação social, o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, contou aos jornalistas que tem havido contactos bilaterais com os patrões e com o Governo sobre o acordo para o salário mínimo de 2018 que indicam que o valor ficará nos 580 euros.

"Os patrões não querem ir além dos 580 euros e nós também não estamos disponíveis para suspender as contribuições" para o Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), disse o líder da UGT, central sindical que defende 585 euros.

Porém, o líder da UGT disse estar disponível para aceitar uma redução das contribuições para o FCT, acrescentando que essa será a proposta que as confederações irão hoje apresentar na concertação social.

"Não estamos disponíveis para suspender [as contribuições para o FCT], nem para poderem abocanhar os 160 milhões que estão no fundo, portanto aí não se mexe", frisou Carlos Silva, acrescentando que a central sindical está, todavia, disponível "para poderem reduzir a taxa, mas só até ao final da legislatura".

Em entrevista ao Negócios e Antena1, esta semana, Carlos Silva tinha aberto a porta à redução e suspensão das contribuições patronais para o FCT durante dois anos, ou seja, no período da atual legislatura.

Por sua vez, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu que "o salário mínimo não tem nada a ver com o FCT", mas sim com legislação que foi implementada numa altura em que a lei dos despedimentos foi revista e as indemnizações reduzidas.

"Discutir o FCT implica a revogação da lei dos despedimentos e das indemnizações", afirmou Arménio Carlos, considerando "inadmissível o favorecimento dado às confederações patronais" se a medida avançar.

"O Governo não pode continuar a dar cobertura a este tipo de pressão das confederações patronais", sublinhou o secretário-geral da CGTP.

Sobre o valor do salário mínimo, que este ano é de 557 euros, a CGTP vai voltar a insistir num aumento para 600 euros em 2018.

"Estamos preparados para chegar a um entendimento", disse Arménio Carlos, acrescentando que isso não será possível se o acordo indiciar "contrapartidas" para o patronato.

As confederações patronais e o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, não falaram aos jornalistas à entrada para a reunião.

O Fundo de Compensação do Trabalho (FCT) destina-se ao pagamento parcial das indemnizações por despedimento. As empresas estão atualmente obrigadas a descontar globalmente 1% por mês para o fundo.

O presidente da CIP, António Saraiva, tem defendido que o acordo entre os parceiros sociais assinado em janeiro estabelecia alterações ao FCT e que essa questão não foi cumprida em 2017, recusando que esta seja uma contrapartida ao aumento do salário mínimo no próximo ano.

A reunião de hoje da concertação social, além da atualização do salário mínimo, tem como pontos de agenda um balanço sobre o Programa Capitalizar, contando com a presença do ministro adjunto Pedro Siza Vieira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.