UEFA decreta minuto de silêncio por Emiliano Sala nas competições europeias

A UEFA decretou hoje um minuto de silêncio pelo futebolista Emiliano Sala, a realizar em todos os jogos da Liga dos Campeões e da Liga Europa, que se realizam até quinta-feira.

Para além do minuto de silêncio, as equipas que jogam esta semana na Liga dos Campeões e na Liga Europa terão a opção de usar uma braçadeira preta em memória do jogador argentino.

O recentemente reeleito presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, expressou as suas "mais sinceras condolências à família e entes queridos de Emiliano Sala pela sua perda".

O presidente, recentemente reeleito por mais quatro anos, apelou ainda a todos os adeptos de futebol do continente europeu que "prestem homenagem à sua memória nos próximos dias".

O jogador de 28 anos faleceu no passado dia 21 de janeiro, quando o avião em que viajava caiu no Canal da Mancha.

O corpo do futebolista foi encontrado dentro da avioneta, a 67 metros de profundidade, a norte da ilha de Guernsey, em 03 de fevereiro, sendo identificado quatro dias depois.

De momento, não há informação sobre o paradeiro de David Ibbotson, que pilotava o aparelho.

Sala tinha assinado contrato com o Cardiff City, por quem não chegou a ser apresentado. O clube galês homenageou-o no sábado com um minuto de silêncio, antes do jogo contra o Southampton.

O FC Porto joga hoje em Roma para a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões e, na quinta-feira, na primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa, o Benfica joga no reduto do Galatasaray e o Sporting recebe o Villarreal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.