Uber paga 245 milhões dólares à Waymo (Google) para encerrar disputa judicial

A Uber vai pagar 245 milhões de dólares (200 milhões de euros) para encerrar uma disputa judicial com a Waymo, uma empresa que nasceu na Google como projeto de desenvolvimento de automóveis auto dirigidos.

O acordo surpreendente anunciado na sexta-feira chega quando os advogados da Uber e Waymo se preparavam para a primeira semana do julgamento que atraiu atenção internacional.

A Waymo apresentou a sua queixa há cerca de um ano, aumentando as preocupações da Uber com menções a um refinado assalto a alta tecnologia, orquestrada pelo seu ex-presidente executivo, Travis Kalanick, e um antigo engenheiro da Google.

Este engenheiro, Anthony Levandowski, foi depois trabalhar para a Uber, de onde foi despedido quando se recusou a responder a acusações de roubo.

À semelhança de muitos acordos, este também requereu compromissos pelas duas partes.

A Uber ofereceu inicialmente 490 milhões de dólares para encerrar o caso, mas o acordo não garantia à Waymo que a sua tecnologia não seria usada impropriamente.

O acordo final corta esta verba ao meio, mas dá à Waymo a garantia que pretendia para impedir que a sua tecnologia fosse usada nos carros autónomos da Uber.

O pagamento vai ser feito em ações da Uber e é uma pequena parte dos cerca de dois mil milhões de dólares de prejuízos que a Wayme estima que o alegado roubo feito pela Uber lhe terá provocado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.