Tutela prevê investir 3,2ME no Centro Hospitalar de Póvoa de Varzim/Vila do Conde

A Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) anunciou hoje um investimento superior a 3,2 milhões de euros para a reabilitação das instalações do Centro Hospitalar que serve os concelho da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde.

Em comunicado, a ARS-Norte aponta que "do conjunto de investimentos que a tutela do Ministério da Saúde prevê levar a efeito no decurso da presente legislatura" faz parte um investimento na unidade hospitalar citada que "ultrapassa os 3,2 milhões de euros".

Em causa um projeto que prevê a colocação de um novo equipamento para tomografia axial computorizada (TAC) e de informática e que visa remodelar o serviço de urgência, bem como outros espaços, tanto da unidade da Póvoa de Varzim como na de Vila do Conde.

"[O objetivo é que] possam ser instaladas novas valências, com particular destaque para a psiquiatria e saúde mental, independentemente de, no futuro, se poder equacionar outra solução", lê-se na nota da ARS-Norte que deixa em aberto a possibilidade da "construção de raiz de novo equipamento".

A tutela admite que este é um investimento "há anos reclamado", apontando que "vem responder ao estipulado na legislação em vigor e aos anseios e necessidades manifestados não só pela população de referência, como pelos profissionais que nas atuais instalações desenvolvem a sua atividade profissional".

O projeto visa tornar o Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde mais acolhedor, moderno, humanizado e "capaz de responder eficazmente à procura", fomentando-se assim os níveis de eficiência.

"O início de todo o processo concursal está apenas dependente do despacho de autorização, a ser emitido pelo Ministério das Finanças, cuja publicação se prevê para breve", termina a nota da ARS-Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.