Trump volta a ameaçar enviar exército para a fronteira com o México

Washington, 24 abr 2019 (Lusa) -- O Presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou hoje o envio do exército para a fronteira, após um incidente envolvendo soldados mexicanos, a quem acusou de serem cúmplices de traficantes de droga.

"Soldados mexicanos apontaram armas à nossa Guarda Nacional, provavelmente como tática de diversão para traficantes de drogas na fronteira. É bom que não aconteça outra vez! Vamos enviar soldados armados para a fronteira", escreveu hoje Donald Trump na sua conta da rede social digital Twitter.

Donald Trump não explicitou de que incidente se tratou, mas a estação televisiva CNN relatou um caso, em 13 de abril, perto de Clint, no Texas, em que seis soldados mexicanos roubaram dois soldados americanos que estavam num veículo não marcado, tendo desarmado um deles.

"O México não está a fazer o suficiente para apreender e fazer regressar (traficantes)", escreveu o Presidente norte-americano, que recentemente ameaçou fechar toda a fronteira com o México, por falta de cooperação por parte das autoridades mexicanas.

Alguns dias depois, Trump recuou na intenção, alegando que o governo do México estava a dar sinais de querer ajudar a proteger as fronteiras.

Mas, hoje, o Presidente norte-americano voltou a culpar as autoridades mexicanas de inação e ameaçou com o reforço de segurança na fronteira.

Donald Trump tem pedido ao Congresso autorização para o financiamento da construção de um muro ao longo da fronteira com o México, mas a maioria Democrata na Câmara dos Representantes negou-lhe essa possibilidade, o que levou o Presidente a declarar estado de emergência para alocar dinheiro do Departamento de Defesa para levantar o muro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.