Trump esteve em Delaware a homenagear norte-americanos mortos em ataque na Síria

O Presidente norte-americano prestou hoje homenagem, na Base Aérea de Dover, no estado de Delaware, aos quatro militares que morreram esta semana num ataque suicida na Síria e cujos restos mortais chegaram esta tarde aos Estados Unidos.

O atentado à bomba, que foi o ataque mais mortífero a tropas norte-americanas na Síria desde que estas entraram no país em 2015, aconteceu numa altura em que o Presidente norte-americano, Donald Trump, se preparava para mandar as tropas abandonarem aquele país.

De acordo com a agência Associated Press, Donald Trump esteve na Base Aérea de Dover no momento em que os restos mortais de Scott A. Wirtz, de Saint Louis, no estado do Missouri, foram trasladados de um avião militar para uma carrinha.

Scott A. Wirtz e outros três norte-americanos morreram na quarta-feira num ataque suicida em Manbij, cidade no norte da Síria.

A trasladação dos outros três corpos aconteceu longe dos jornalistas, mas com a presença do presidente norte-americano, que passou algum tempo com os familiares dos quatro mortos.

Hoje, quando saiu da Casa Branca rumo à base aérea, Donald Trump disse aos jornalistas que encontrar-se com os familiares de heróis norte-americanos mortos "é capaz de ser a coisa mais dura" que tem que fazer enquanto Presidente.

Esta viagem não constava da agenda pública do presidente, divulgada na sexta-feira, mas Donald Trump tornou-a pública hoje através da sua conta na rede social Twitter.

A viagem de Trump a Delaware acontece numa altura em que o Governo norte-americano está em encerramento parcial devido à insistência do presidente republicano em obter financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México, algo que conta com a oposição dos democratas.

O impacto das cerca de quatro semanas de 'shutdown' (encerramento dos serviços do governo federal) está a ser sentido em todo o país.

Na sexta-feira, Donald Trump anunciou que iria fazer hoje (pelas 21:00 de Lisboa), na Casa Branca, um "grande anúncio" sobre o 'shutdown' e a fronteira dos Estados Unidos com o México.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.