Trump esteve em Delaware a homenagear norte-americanos mortos em ataque na Síria

O Presidente norte-americano prestou hoje homenagem, na Base Aérea de Dover, no estado de Delaware, aos quatro militares que morreram esta semana num ataque suicida na Síria e cujos restos mortais chegaram esta tarde aos Estados Unidos.

O atentado à bomba, que foi o ataque mais mortífero a tropas norte-americanas na Síria desde que estas entraram no país em 2015, aconteceu numa altura em que o Presidente norte-americano, Donald Trump, se preparava para mandar as tropas abandonarem aquele país.

De acordo com a agência Associated Press, Donald Trump esteve na Base Aérea de Dover no momento em que os restos mortais de Scott A. Wirtz, de Saint Louis, no estado do Missouri, foram trasladados de um avião militar para uma carrinha.

Scott A. Wirtz e outros três norte-americanos morreram na quarta-feira num ataque suicida em Manbij, cidade no norte da Síria.

A trasladação dos outros três corpos aconteceu longe dos jornalistas, mas com a presença do presidente norte-americano, que passou algum tempo com os familiares dos quatro mortos.

Hoje, quando saiu da Casa Branca rumo à base aérea, Donald Trump disse aos jornalistas que encontrar-se com os familiares de heróis norte-americanos mortos "é capaz de ser a coisa mais dura" que tem que fazer enquanto Presidente.

Esta viagem não constava da agenda pública do presidente, divulgada na sexta-feira, mas Donald Trump tornou-a pública hoje através da sua conta na rede social Twitter.

A viagem de Trump a Delaware acontece numa altura em que o Governo norte-americano está em encerramento parcial devido à insistência do presidente republicano em obter financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México, algo que conta com a oposição dos democratas.

O impacto das cerca de quatro semanas de 'shutdown' (encerramento dos serviços do governo federal) está a ser sentido em todo o país.

Na sexta-feira, Donald Trump anunciou que iria fazer hoje (pelas 21:00 de Lisboa), na Casa Branca, um "grande anúncio" sobre o 'shutdown' e a fronteira dos Estados Unidos com o México.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.