Trinta e oito pessoas detidas em flagrante durante operações da GNR

Trinta e oito pessoas foram detidas em flagrante delito pela Guarda Nacional Republicana (GNR) nas últimas 12 horas num conjunto de operações pelo país, divulgou em comunicado a autoridade policial.

De acordo com o comunicado, foram detidas 38 pessoas em flagrante delito, 25 das quais por condução sob o efeito do álcool, oito por condução sem habilitação legal, três por tráfico de estupefacientes e uma por condução perigosa.

Nas operações em território nacional foram ainda apreendidas 56 doses de haxixe e 13 doses de folhas de cannabis.

No que se refere às operações de fiscalização no trânsito, 802 infrações foram detetadas pela GNR, entre as quais, 61 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 48 por falta de inspeção periódica obrigatória do automóvel, 45 por excesso de velocidade.

Foram registados ainda 123 acidentes, destacando-se dois feridos graves e 30 pessoas com ferimentos ligeiros.

"A Guarda Nacional Republicana, para além da sua atividade operacional diária, levou a efeito um conjunto de operações em todo o território nacional entre as 20:00 de sexta-feira e as 08:00 de hoje, que visaram a prevenção e combate à criminalidade violenta, fiscalização rodoviária, entre outras", referiu a nota da GNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.