Tribunal russo rejeita libertar norte-americano acusado de espionagem

O norte-americano Paul Whelan, detido no final de dezembro em Moscovo e acusado de espionagem, permanecerá na prisão depois de um tribunal de Moscovo ter rejeitado o seu pedido de libertação.

"O recurso da defesa (pela sua libertação) foi rejeitado", declarou o juiz do tribunal de Lefortovo, Dmitry Proniakine, na presença do ex-fuzileiro naval de 48 anos, na sua primeira aparição pública desde que foi detido.

Paul Whelan ouviu a decisão com a ajuda de um tradutor. O acusado estava numa espécie de 'caixa' de vidro, como é costume na Rússia para os julgamentos de suspeitos mantidos em detenção.

O advogado de Paul Whelan, Vladimir Jerenbekov, já havia expressado pouca esperança na aceitação do recurso pelo tribunal.

"Na Rússia, a regra é deixar que as pessoas fiquem presas", disse o advogado fora do tribunal.

Paul Whelan foi detido a 28 de dezembro de 2018. Os serviços de informação russos (FSB) alegam tê-lo detido "enquanto estava a cometer um ato de espionagem".

O britânico-americano nega todas as acusações que lhe foram feitas e poderá enfrentar uma sentença de até vinte anos de prisão.

Alguns especialistas acreditam que a sua detenção está ligada ao caso da russa Maria Butina, presa em julho de 2018 em Washington, sendo Whelan uma espécie de moeda de troca. Butina declarou-se culpada de espionagem para Moscovo.

A porta-voz da embaixada dos Estados Unidos em Moscovo, Andrea Kalan, disse à imprensa russa que o caso é "seguido de perto" pelas autoridades norte-americanas.

Nós "continuamos a pedir à Rússia que siga as leis internacionais e realize um julgamento rápido, justo e transparente", acrescentou Andrea Kalan.

O embaixador dos Estados Unidos em Moscovo, Jon Huntsman, visitou Paul Whelan na prisão de Lefortovo, na capital russa.

De acordo com Jerebenkov, o julgamento de Paul Whelan provavelmente não ocorrerá antes de seis meses e nenhuma troca poderá ser organizada antes do final.

"Eu vi-o na semana passada (...), ele sente-se bem, tem um senso de dignidade", disse o advogado.

Paul Whelan, que tem as nacionalidades norte-americana, britânica e irlandesa, visitou a capital russa para o casamento de um amigo, segundo sua família. Nascido no Canadá, é diretor de segurança internacional do BorgWarner Group, fabricante norte-americano de autopeças.

Vários especialistas colocaram em dúvida o facto de Whelan ser um espião.

De acordo com o jornal New York Times, Paul Whelan foi submetido a um tribunal marcial em 2008 por roubo e fraude, crimes que impedem ou pelo menos dificultam o recrutamento para os serviços de informação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.