Tribunal do Porto decide em fevereiro caso de ataque a escritórios de advogados

O tribunal criminal de São João Novo, no Porto, decide em 05 de fevereiro o caso de um economista espanhol atualmente em prisão preventiva por crimes contra advogados de processos em que esteve envolvido, disse hoje fonte judicial.

A leitura do acórdão chegou a estar marcada para a manhã de hoje.

O economista está acusado por ameaças, coação, injúria, difamação, dano, roubo, introdução em lugar vedado ao público e incêndio.

Os casos registaram-se no período entre fevereiro de 2016 e fins do mesmo ano contra escritórios de advogados envolvidos num processo que o homem intentou em tribunal do trabalho contra uma empresa de construção civil por alegado despedimento ilegal.

As ações de retaliação terão ocorrido após o economista recusar assinar um acordo indemnizatório, exigindo mais dinheiro, e recusar o pagamento dos honorários ao escritório de advogados que o representou naquele processo.

Ocorreram também após os advogados credores avançarem com a penhora da sua casa e com uma acusação por difamação.

Na primeira sessão do julgamento, em novembro do ano passado, o economista, acusado, por exemplo, de incendiar uma secretária num escritório de advogados do Porto, dias após atirar um carro em chamas contra o portão de escritório similar, alegou que agiu sob "carga emocional elevada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.