Tribunal de Leiria condena mulher a dois anos de prisão por roubo

Uma mulher foi condenada pelo Tribunal de Leiria a dois anos e seis meses de prisão, pena suspensa por igual período, pela prática de três crimes de roubo, anunciou hoje o Ministério Público de Leiria.

Segundo o acórdão publicado na página 'online' do Ministério Público (MP) de Leiria, uma mulher foi condenada pela prática, em coautoria, de três crimes de roubo, sendo cada um deles na pena de um ano e seis meses de prisão.

"Em cúmulo jurídico, foi condenada na pena única de dois anos e seis meses de prisão, suspensa na sua execução por igual período de tempo, mediante regime de prova".

O acórdão dá como provado que, no dia 01 de janeiro de 2016, cerca das 03:00, no Jardim Luís de Camões, em Leiria, a arguida e outras duas pessoas, cuja identidade não foi identificada, "dirigiram-se a três ofendidos que ali se encontravam sentados num banco".

"Após uma breve troca de palavras, um dos indivíduos, de forma brusca, retirou o telemóvel que um dos ofendidos tinha consigo. Ato contínuo, disse-lhe em tom alto, sério e ameaçador: 'Sai-me da frente antes que leves um tiro'. Enquanto isso, a arguida dirigiu-se aos outros dois ofendidos e ordenou-lhes a entrega dos telemóveis que tivessem na sua posse, o que estes fizeram de imediato por recearem pela sua vida e integridade física", refere o despacho.

Os autores do crime "agiram em conjugação de esforços e intentos e em cumprimento de um plano previamente gizado, no intuito de fazerem seus os aludidos telemóveis, tendo para tanto intimidado os três ofendidos, através de ameaça de agressão física, e anunciando que lhes davam um tiro, visando assim anular qualquer resistência por parte daqueles à entrega dos telemóveis, o que conseguiram".

A investigação foi efetuada pelo Ministério Público, com a coadjuvação do Departamento de Investigação Criminal da PSP de Leiria, tendo a acusação sido deduzida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal desta cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".