Tribunal de Contas de Angola renova parceria com PNUD e UE para assistência técnica

O Tribunal de Contas angolano renovou hoje a parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e com a União Europeia (UE) para a formação de técnicos de fiscalização dos recursos financeiros do Estado.

A renovação da parceria, que se traduziu na assinatura de um novo acordo entre o tribunal e as duas instituições para o período 2019/21, foi testemunhada pela Presidente do Tribunal de Contas (TC), Exalgina Gamboa, pelo representante residente do PNUD, Henrik Larsen, e pelo gestor de projetos da UE, Paulo Leitão, tendo por base um "Plano de Trabalho Integrado".

Para a implementação da segunda fase da parceria, que já dura há quatro anos, Bruxelas doou 7,75 milhões de euros, para um orçamento total de 7,8 milhões de euros.

Nesta relação, o PNUD garante a administração e o cofinanciamento do projeto, que é extensivo aos restantes Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP - Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe) e Timor-Leste.

A primeira fase do projeto abrangeu apenas técnicos do Tribunal de Contas e do Ministério das Finanças, enquanto na segunda, o PNUD vai estender a capacitação, além daquelas duas instituições, à 5.ª Comissão da Assembleia Nacional angolana e a organizações da sociedade civil, para fortalecer o controlo externo das contas públicas.

Entre as ações a desenvolver pelo PNUD constam a formação de quadros, informação e divulgação de dados sobre as finanças públicas, bem como o envolvimento do público através do diálogo ou sua participação direta.

Na ocasião, Exalgina Gamboa disse esperar que essa nova fase da parceria atinja outras entidades cuja atividade está ligada à do Tribunal de Contas.

De igual modo, disse que, na fase anterior, os quadros do Tribunal de Contas foram beneficiados com um curso de pós-graduação em finanças públicas, ministrado por uma universidade portuguesa que ajudou na melhoria do trabalho dos técnicos, sobretudo nas avaliações mais corretas da prestação de contas e de contratos sujeitos à fiscalização preventiva, assim como uma melhor interpretação das leis.

O representante do PNUD em Angola, Henri Larsen, referiu ser importante dotar os quadros e auditores do TC de aptidões e instrumentos necessários para aprofundar a sua atividade de auditoria de desempenho, num contexto de orçamento programático e da medição dos esforços nacionais e de realização de metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Henrik Larsen disse ser também fundamental formar os quadros e auditores do Tribunal para estenderem o alvo das suas auditorias financeiras a novas entidades público-privadas (PPP), no novo contexto de desenvolvimento sustentável de Angola, na base de instituições correspondentes, prestadoras de contas e mais transparentes.

"Penso que vai ser transformador por abrir o Tribunal ao público", disse Henri Larsen, acrescentando que as ações do plano integrado de trabalho de 2019-21 vão contribuir para posicionar cada vez melhor a instituição no ecossistema de gestão das finanças públicas em Angola, nos restantes PALOP e em Timor-Leste.

Em representação da UE, Paulo Leitão disse que Bruxelas pretende contribuir para a construção de um sistema de instituições e procedimentos no domínio económico em que a cooperação nas políticas neste domínio, possa ajudar ao progresso económico e social, através de um modelo de governação mais eficaz, incluindo uma coordenação e supervisão reforçadas quer ao nível das políticas macroeconómicas quer das políticas orçamentais.

Considerou o programa uma "referência na cooperação" entre PALOP-TL, sendo que as suas ações se concentrarão particularmente no apoio às instituições superiores de controlo, em especial na área de gestão de finanças públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.