Tribunais cíveis com menos 14% ações pendentes no 1º trimestre

As ações cíveis pendentes nos tribunais diminuíram 13,8% nos primeiros três meses do ano, face ao mesmo período de 2017, segundo dados estatísticos da Direção Geral de Política da Justiça (DGPJ), hoje divulgados.

No primeiro trimestre deste ano, o número de ações cíveis findas foi superior ao número de ações entradas, tendo-se verificado um saldo processual de menos 7.715 processos.

Quanto ao tipo de ações cíveis concluídas, no primeiro trimestre do ano, 27,8% correspondiam a ações declarativas, 15,7% a reclamações de créditos, 10,2% a embargos/oposição, 5,6% a notificações judiciais avulsas e 4,6% a divórcios e separações.

A duração média das ações cíveis findas e tendo em conta o período homólogo anterior, no primeiro trimestre de 2018, verificou-se uma diminuição de um mês, passando de 16 para 15 meses.

O indicador 'disposition time' (que mede, em dias, o tempo que seria necessário para concluir todos os processos) registou um valor de 274 dias, o número mais reduzido dos períodos homólogos desde 2007.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.