Tribo indígena mata turista norte-americano que acedeu ilegalmente à sua ilha

Indígenas mataram um turista norte-americano que se arriscou a chegar a uma ilha indiana remota no arquipélago de Andamão e Nicobar, no Oceano Índico, com acesso proibido para proteger o povo que a habita, disse fonte policial.

"O turista é cidadão norte-americano e foi visto pela última vez no passado dia 16 de novembro pelos pescadores que o acompanharam até à ilha Sentinela do Norte", explicou Jatin Narwal, porta-voz da Polícia de Andamã, na baía de Bengala.

Os pescadores que o levaram anunciaram o ocorrido a um "amigo local", que por sua vez alertou as autoridades, acrescentou a fonte.

A polícia local procedeu então a uma investigação que determinou que John Chau, 27 anos, morreu assassinado pelos indígenas.

As autoridades desconhecem até agora de que forma o turista morreu, ainda que segundo a imprensa local a vítima tenha morrido pelo impacto de flechas, pouco depois de ter posto os pés na ilha.

Frequentemente descritos como a tribo mais isolada do planeta, os habitantes da ilha Sentinela do Norte vivem em autarcia nessa ilha.

O governo indiano proíbe a aproximação a menos de cinco quilómetros da ilha.

"A ilha de Sentinela do Norte é uma área proibida, a entrada nessa ilha está restringida pela regulação para a Proteção das Tribos Aborígenes, ninguém tem permissão de lá ir", disse o porta-voz da polícia.

Segundo a organização não-governamental 'Survival International', em 2006, os indígenas que habitam a ilha há 55.000 anos mataram dois pescadores que se aproximavam da costa.

A população indígena das ilhas Andamã conta com 28.077 indivíduos, segundo dados da Comissão Nacional Para as Tribos (NCST).

As ilhas Andamã e Nicobar, situadas a cerca de 1.000 quilómetros do território da Índia, eram pouco visitadas até à época colonial, permitindo que as tribos mantivessem intacta a sua forma de vida.

Hoje em dia, a maioria dos 'Andamaneses' reside em assentamentos concedidos pelo governo indiano.

Ainda assim, existem algumas tribos que vivem isoladas e baseiam a sua subsistência na colheita e na caça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...