Trabalhadores dos Caminhos de Ferro de Luanda anunciam greve a partir de segunda-feira

Os trabalhadores dos Caminhos de Ferro de Luanda (CFL) anunciaram hoje uma greve, por tempo indeterminado, a partir de segunda-feira, para reivindicar melhores condições laborais, igualdade de subsídios, e aumento salarial na ordem dos 80%.

Em declarações hoje à Lusa, o secretário para os assuntos jurídicos do Sindicato Independente dos Ferroviários de Angola (SINFA), Dias Kinkela, disse que a decisão da paralisação dos trabalhos foi aprovada na terça-feira em assembleia de trabalhadores.

"Se até aí as autoridades não se pronunciarem, a greve será uma realidade a partir do dia 14 de janeiro, porque os trabalhadores assim decidiram, em maioria, durante esta assembleia-geral", disse.

Segundo o sindicalista, a greve prevê "serviços mínimos" com o funcionamento diário de "apenas dois comboios", pelo que referiu, 15 comboios estarão paralisados no decurso da vigência de greve.

Melhoria dos subsídios de alimentação, implementação do seguro contra doenças profissionais e acidentes de trabalho e acerto de categorias são alguns dos 19 pontos plasmados no caderno reivindicativo remetido à entidade patronal no dia 04 de dezembro de 2018.

"A nossa situação já se arrasta há cinco anos e em novembro aprovamos esse caderno reivindicativo, mas infelizmente até ao momento não tivemos qualquer resposta da direção da empresa", lamentou.

De acordo com Dias Kinkela a situação afeta cerca de 900 trabalhadores do CFL.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?