Trabalhadores de 'call-centers' fazem greve na sexta-feira em defesa da iguladade

Os trabalhadores dos centros de atendimento telefónico marcaram uma greve para sexta-feira, Dia Internacional da Mulher, por melhores condições de trabalho e pela promoção da igualdade, aderindo, assim, à Greve Internacional de Mulheres.

O Sindicato dos Trabalhadores de Call-Center (STCC) emitiu o pré-aviso de greve para esta data, para abranger todos os trabalhadores do setor que queiram participar na ação de luta e nas manifestações que vão ocorrer em vários pontos do país.

"Marcámos esta paralisação porque consideramos que os motivos que estão na base da greve internacional não estão desligados das nossas queixas e das nossas reivindicações nos locais de trabalho", disse à agência Lusa Rebeca Moore, do STCC.

Segundo a sindicalista, o STCC vai participar na manifestação de Lisboa da 'greve feminista' com faixas próprias, alusivas aos problemas do setor.

"Juntamo-nos assim ao poderoso movimento da Greve Internacional de Mulheres que, nos últimos anos, mobilizou milhões de trabalhadoras", desde a Argentina à Polónia, desde os EUA a Espanha, afirmou o sindicato numa nota de imprensa.

Nas últimas semanas o STCC tem realizado reuniões nos locais de trabalho "com centenas de trabalhadores", que manifestaram o seu apoio a esta iniciativa.

"Sentimos que as trabalhadoras dos 'call-centers' querem uma vida melhor e estão dispostas a lutar por ela", disse Rebeca Moore.

No texto do pré-aviso de greve é referido que o assédio moral "é a norma nos 'call-centers' e sobre as mulheres é brutal, causador de depressões".

Os ritmos e horários de trabalho, os cortes na remuneração variável por faltas por apoio à família, o medo de ser despedida em caso de gravidez, são outras das queixas apresentadas pelo sindicato, criado em 2014.

Este setor emprega cerca de 83.000 trabalhadores.

A Greve Internacional de Mulheres existe desde 2017, mas só este ano vai ter repercussão em Portugal.

O objetivo é defender os direitos das mulheres e combater a violência e as desigualdades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.