Tomar celebra Dia da Criança com cortejo alusivo aos Descobrimentos

A Câmara de Tomar assinala quinta-feira o Dia da Criança com um desfile alusivo aos Descobrimentos, envolvendo mais de 2.000 crianças das escolas do concelho e que contará com a presença dos duques de Bragança.

No desfile pelas ruas da cidade estarão representados temas como "o Atlântico desconhecido para lá do Bojador, as caravelas do Infante D. Henrique apoiado na Ordem de Cristo, Diogo Cão e as viagens de exploração da costa ocidental africana, o Cabo da Boa Esperança e o Adamastor, Índia, Brasil e Macau", afirma uma nota do município.

As duas mil crianças, entre os 3 e os 10 anos, desfilarão usando máscaras e fantasias "para caracterizar os diversos povos, bem como a fauna dos oceanos e dos continentes representados nesta viagem no tempo", acrescenta.

O cortejo, de cerca de duas horas, que destaca o papel de Tomar e da Ordem de Cristo na epopeia das Descobertas, contará ainda com carros alegóricos e música ao vivo, acrescenta.

Para além do cortejo, a iniciativa "Tomar, Berço dos Descobrimentos" inclui ainda, a partir das 15:00, uma regata, "Vai de Vela no Nabão", com barcos miniatura criados por alunos do 2.º ciclo do ensino básico, que farão um percurso entre a ponte do Mouchão e a Levada.

Os barcos serão premiados pela criatividade e a capacidade de recriação das embarcações dos Descobrimentos, afirma a nota do município.

"Tomar, Berço dos Descobrimentos" é uma iniciativa do município de Tomar em associação com as escolas e a comunidade local.

Os Duques de Bragança, Duarte Nuno e Isabel de Herédia, serão recebidos às 10:30 pela presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas, nos Paços do Concelho, onde assistirão à passagem do cortejo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.