Timor-Leste/Eleições: Timorenses terão mais sítios para votar nas legislativas de 22 de julho

As autoridades eleitorais timorenses vão instalar 1.121 estações de voto em 859 centros de votação para as legislativas de 22 de julho, dos quais pelo menos sete funcionarão no estrangeiro, na Austrália, Coreia do Sul, Portugal e Reino Unido.

Dados facultados à Lusa pelo Secretariado Técnico de Assistência Eleitoral (STAE) mostram que, face à eleição presidencial de 20 de março, o Governo instalará para as legislativas mais 155 centros de votação e mais 177 estações de voto.

Depois da estreia do voto de timorenses no estrangeiro nas presidenciais (em Lisboa e nas cidades australianas de Darwin e Sydney), o Governo decidiu ampliar os locais de votação no exterior, procurando responder a apelos nesse sentido feitos pelas comunidades emigrantes.

Assim, a 22 de julho haverá locais de votação em três cidades australianas (Sydney, Darwin e Melbourne), na capital sul-coreana, Seul, em Londres e em Lisboa.

Dados facultados à Lusa pelo STAE confirmam que estão recenseados para votar um total de 764.858 eleitores, tendo 24.688 completado o seu recenseamento no último período permitido, entre 08 de abril e 20 de junho.

Esse total inclui 1.101 recenseados na Austrália, 589 em Portugal, 208 no Reino Unido e 227 na Coreia do Sul.

Em Timor-Leste, o maior número de locais de votação estará na capital, Díli - 83 centros de votação e 187 estações de voto - respondendo ao facto de ser aqui que há o maior número de eleitores (163.129).

Segue-se Baucau, onde estão 87.057 eleitores, Ermera (77.190) e Bobonaro (64.008).

Os locais com menos eleitores são Aileu (30.344) e Manatuto (30.344).

Os 20 partidos e uma coligação candidatos às eleições de 22 de julho estão em campanha desde terça-feira e até ao dia 19 de julho, havendo depois dois dias de reflexão para que os timorenses se possam deslocar para votar onde se recensearam.

Cerca de metade dos eleitores tem de se deslocar para outro ponto do país no dia da votação, segundo estimativas das autoridades eleitorais.

O voto decorre a 22 de julho e os resultados finais - confirmando quem são os 65 deputados do Parlamento Nacional - devem ser certificados pelo Tribunal de Recurso até 06 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.