The 1975 e Calvin Harris duplamente premiados nos Brit Awards

O grupo pop The 1975, que atuará em julho em Portugal, e o produtor Calvin Harris saíram duplamente vitoriosos nos Brit Awards, os prémios de música do Reino Unido atribuídos hoje numa cerimónia em Londres.

Os The 1975, que integram o cartaz do festival Super Bock Super Rock, venceram os prémios de melhor grupo britânico e álbum do ano, com "A brief inquiry into online relationships".

Na 39.ª edição dos Brit Awards, o DJ Calvin Harris foi eleito o melhor produtor e recebeu ainda o prémio de melhor música, com "One Kiss", que conta com participação da cantora Dua Lipa.

Ed Sheeran, que fará dois concertos em junho em Lisboa, recebeu o prémio de artista britânico com êxito global.

George Ezra conquistou o prémio de melhor artista masculino solo e Jorja Smith - que estará em julho no festival NOS Alive - recebeu o prémio feminino.

O escocês, Tom Walker, que editará em março o álbum de estreia "What a time to be alive", ganhou o prémio de artista revelação do ano.

O prémio de melhor vídeo de música do ano foi para "Woman like me", das Little Mix, com a participação da cantora Nicki Minaj.

No plano internacional, a organização distinguiu o canadiano Drake (melhor artista masculino), a cantora norte-americana Ariana Grande (melhor artista feminina) e The Carters, que integram o casal Beyoncé e Jay-Z, (melhor grupo internacional).

A cerimónia dos prémios arrancou com uma atuação do ator Hugh Jackman, que interpretou um tema do filme "The Greatest Showman".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?