Testa-de-ferro em fraude fiscal milionária explica-se num tribunal do Porto

Um homem assumiu hoje, num tribunal do Porto, a condição de testa-de-ferro numa alegada fraude milionária em negócios de ouro, sendo o único arguido a falar do caso no início do julgamento.

"Nunca emiti qualquer fatura, nunca tive acesso a qualquer cheque", afirmou, admitindo, contudo, que "abriu a atividade" nas Finanças a pedido de um homem que disse não se encontrar entre os arguidos presentes na sala de audiências e a troco de uma remuneração, que aceitou por estar então desempregado.

Recebeu dinheiro "nas sete vezes" que se encontrou com esse homem, num total de pouco mais de 500 euros. "E nunca mais o vi", garantiu.

Os restantes arguidos do processo nada quiseram dizer ao tribunal neste início de julgamento, no tribunal criminal de São João Novo, no Porto.

"Não falo", "neste momento, não", "hoje, não; falo mais tarde", foram as respostas mais ouvidas pelo coletivo de juízes, em resposta à pergunta sobre se iriam prestar declarações.

Em causa está, neste julgamento, a alegada prática dos crimes de associação criminosa, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada, consumados entre 2014 e 2016, que prejudicaram o Estado em quase 70 milhões de euros.

Depois de separados os processos de três acusados, a lista de arguidos do caso passou a compreender 29 empresas e 18 pessoas, oito das quais foram, segundo o Ministério Público, as que mais lucraram com o esquema, já que "deixaram de entregar à autoridade tributária" exatamente 69.371.371,94 euros.

Fizem-no, de acordo com o processo, no âmbito de um "intrincado esquema de faturação que não correspondia a operações reais, com o intuito de lesar o erário público".

O plano incluía o recurso aos chamados testas-de-ferro, pessoas com problemas de sobrevivência que, a troco de dinheiro, "emprestavam" o nome aos "circuitos de papel" engendrados, sem saberem muito bem os riscos que corriam.

Segundo a acusação, este plano tinha "duas vertentes distintas", uma delas dirigida à apropriação do IVA, "quer através da simulação de transações, quer através da criação de circuitos de faturação a que não estavam subjacentes quaisquer transações efetivas de mercadorias".

A outra vertente era "dirigida à diminuição do lucro tributável, com o empolamento dos custos baseados em operações não efetuadas da forma titulada pelas faturas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.