Tentativa de imolação em Praga 50 anos após o ato de Jan Palach

Um homem tentou autoimolar-se hoje em plena Praça Venceslau em Praga, onde o estudante Jan Palach se imolou desta forma em janeiro de 1969 em protesto contra a invasão militar soviética da Checoslováquia, referiu a polícia.

O homem sofreu queimaduras na cabeça e nas mãos, foi submetido a um coma artificial e enviado para um hospital de Praga.

"Nada indica ter-se tratado de um ato de protesto ou de um ato politicamente motivado", indicou a porta-voz da polícia, Andrea Zoulova. A mesma responsável confirmou que o homem é de nacionalidade checa, e esclareceu que ainda eram desconhecidos os motivos deste ato.

Testemunhas citadas pelos media locais adiantaram que as motivações do homem terão eventualmente um caráter religioso.

As chamas foram extintas por transeuntes, que usaram roupas e um extintor proveniente de um café das proximidades.

"As equipas de socorro colocaram o paciente, que sofre de queimaduras em 30% do corpo, em coma artificial e transportaram-no para o hospital de Praga- Kralovske Vinohrady, após assegurarem o funcionamento das vias respiratórias", indicou no Twitter uma porta-voz dos serviços de emergência médica.

A República checa assinala no sábado o 50º aniversário da morte pelo fogo do estudante de filosofia Jan Palach. Então com 20 anos, imolou-se na Praça Venceslau três dias antes, em protesto contra a invasão das tropas do Pacto de Varsóvia que esmagaram em agosto de 1968 o movimento reformador da "Primavera de Praga".

Diversos checos, inspirados pelo seu sacrifício, também se imolaram no início de 1969.

Na primavera de 2003, muitos outros, incluindo pessoas desequilibradas, também se suicidaram da mesma forma, ou tentaram fazê-lo.

Na ocasião, seguiram o exemplo do estudante de 19 anos Zdenek Adamec, que também se autoimolou na Praça Venceslau em 06 de março de 2003, após ter deixado uma carta de despedida onde considerava o seu ato "um protesto contra o mal, geralmente tolerado em todo o mundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.