Tecnologia no feminino e sobre finanças em debate na FLAD

A Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) organiza na terça-feira, na sua sede em Lisboa, uma conferência que vai discutir novas tecnologias dedicadas às finanças e o papel das mulheres e da diversidade nas tecnologias.

Participam na conferência dois especialistas internacionais de uma das maiores incubadoras de Silicon Valley, a 500 Startups: Monique Woodard, sócia da incubadora e gestora de um fundo de investimento, e Sheel Mohnot, empresário e gestor de uma incubadora.

"As tecnologias aplicadas ao setor financeiro (FinTech) apresentam um enorme potencial de disrupção, o qual se pode revelar nos serviços bancários, através dos pagamentos, transferências móveis e empréstimos e nos mercados financeiros, quer na configuração e na gestão de carteiras de investimento, quer nas transações e outras operações de 'trading'", disse à Lusa o administrador executivo da FLAD, Jorge Gabriel.

O responsável lembrou um estudo recente, publicado pela consultora Accenture, que revela que o investimento nesta área aumentou de 930 milhões de dólares em 2008 para mais de 12.000 milhões em 2015 e prevê que este crescimento continue.

"Existem por isso inúmeras oportunidades nesta área, em particular num país como Portugal, com forte tradição na investigação e no desenvolvimento de modelos de negócio e aplicações de 'software' para o sector financeiro", explicou o responsável.

A conferência, que é organizada em parceria com a West to West, uma organização que ajuda empreendedores portugueses em São Francisco, será composta por dois painéis: um primeiro dedicado à tecnologia na área das finanças e um segundo subordinado ao tema do papel das mulheres e da diversidade nas tecnologias.

O primeiro painel será moderado por Afonso Eça, da Nova SBE, e, além de Sheel Mohnot, participam Nuno Sebastião, fundador da Feedzai, Maria Antónia Saldanha, diretora de marca e comunicações da SIBS, Paula Antunes da Costa, gestora da Visa em Portugal, e João Menano, diretor executivo da James.

O segundo painel será moderado por Rita Waite, da West to West, e participam Monique Woodard, Cristina Fonseca, cofundadora da Talkdesk, Henry Wigan, cofundador do Mustard Seed, e Marta Palmeiro, do Pier Partners.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.