Teatromosca estreia "Manières de voir: Saran" em França a 24 de junho

O grupo teatromosca estreia, a 24 de junho, a peça "Manières de voir: Saran", em Saran, França, integrado na programação do Festival Théâtre sur l´Herbe, anunciou hoje o coletivo de Sintra.

A peça, que se estreou a 08 de julho, em Sintra, com o título "Ways of Seeing/Manières de voir" será depois reposta em Sintra, com o título "Modos de ver: Sintra", de 18 de agosto a 03 de setembro próximos.

Após o sucesso de uma primeira versão do 'audiowalk', o teatromosca prepara-se para estrear "Manières de voir: Saran", no Festival Théâtre sur l'Herbe, a convite da companhia francesa Théâtre de la Tête Noire.

O projeto consiste na apresentação de ´performances site-specific`, realizadas em alguns dos mais emblemáticos lugares (e não-lugares) de qualquer cidade, em que os espetadores-caminhantes são guiados por uma banda sonora original concebida a partir de um processo de teatro documental.

A primeira versão deste projeto decorreu durante os meses de julho e agosto de 2016 em Sintra, no âmbito da evocação dos 20 anos da elevação de Sintra a Património Mundial. "Uma forma inovadora e invulgar de explorar os caminhos secretos duma cidade, em que cada espetador-caminhante assume o papel de um 'flâneur' contemporâneo", segundo comunicado do teatromosca.

Para cada espetador-caminhante vai existir uma banda sonora diferente, composta de sons, músicas e vozes, a partir de pesquisas realizadas nos locais onde será criado o espetáculo.

A cada espectador/caminhante será entregue um conjunto, que inclui um leitor MP3 com auscultadores -- as faixas áudio serão acionadas pela própria pessoa -, um caderno contendo informações sobre a performance e um conjunto diversificado de materiais (fotografias, cartas, postais, etc.), um lápis e uma lanterna.

O espetáculo-percurso terá uma duração variável (na primeira versão em Sintra, o espetáculo durava três horas).

"Manières de voir" é uma criação coletiva de Pedro Alves, Bruno Béu, Maria Carneiro, Catarina Lobo, Inês Oliveira, Tiago Patrício, Ricardo Reis e Pedro Silva.

A música e o design de som são de Bruno Béu, o design gráfico de Alex Gozblau, o vídeo de Ricardo Reis e a fotografia e produção executiva de Catarina Lobo.

A peça tem direção técnica de Carlos Arroja e produção do teatromosca, com apoios da Câmara Municipal de Sintra, Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra, União de Freguesias de Cacém e S. Marcos, entre outros.

Exclusivos