Tancos: PSD admite chamar António Costa ao parlamento

O PSD admitiu hoje pedir a audição do primeiro-ministro, António Costa, na comissão parlamentar de Defesa Nacional sobre o caso do furto de material militar de Tancos para esclarecer se o Governo mentiu aos portugueses.

A hipótese foi colocada pelo deputado do PSD Bruno Vitorino durante a audição do ministro Azeredo Lopes na comissão parlamentar de Defesa Nacional, sobre o roubo de material militar de Tancos, em junho de 2017, e as discrepâncias nas declarações de responsáveis governamentais e do Exército sobre o armamento recuperado quatro meses depois.

"O senhor ministro mentiu aos portugueses ou mentiram-lhe a si?", questionou Bruno Vitorino, adaptando depois a mesma pergunta para António Costa: "O senhor primeiro-ministro mentiu aos portugueses ou mentiram-lhe?"

Tendo em conta as respostas que obtiver, acrescentou, o grupo parlamentar social-democrata "reserva-se o direito de requerer a audição do primeiro-ministro" na comissão parlamentar de Defesa Nacional para se saber porque "não disse a verdade".

Na audição parlamentar, o ministro criticou o PSD pela "falta de decoro" e insistiu nas críticas ao líder social-democrata, Rui Rio, que no fim de semana defendeu que o país tem de exigir ao Ministério Público (MP) que rapidamente faça a "acusação correta" no caso de Tancos, considerando o Governo "incapaz de dar mais respostas" sobre o caso.

O furto de material militar dos paióis de Tancos - instalação entretanto desativada - foi revelado no final de junho de 2017. Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e grande quantidade de munições.

Em 18 de outubro passado, a Polícia Judiciária Militar recuperou, na zona da Chamusca, quase todo o material militar que tinha sido furtado da base de Tancos no final de junho, à exceção das munições de 9 milímetros.

Contudo, entre o material encontrado, num campo aberto na Chamusca, num local a 21 quilómetros da base de Tancos, havia uma caixa com cem explosivos pequenos, de 200 gramas, que não constava da relação inicial do que tinha sido furtado, o que foi desvalorizado pelo Exército e atribuído a falhas no inventário.

Citando partes do inquérito do MP relativos à investigação judicial ao furto de Tancos, o jornal Expresso referia, em 14 de julho, que, além das munições de 9 milímetros, há mais material em falta entre o que foi recuperado na Chamusca, como granadas de gás lacrimogéneo, uma granada de mão ofensiva e cargas lineares de corte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.