Tancos: Ministro diz que não sabia da"alegada discrepância" e aguarda aclaração do MP

O ministro da Defesa afirmou hoje que não teve conhecimento da "alegada discrepância" quanto à recuperação do material militar furtado em Tancos e que aguarda "calmamente" uma "aclaração" por parte do Ministério Público.

"Obviamente não tive conhecimento dessa alegada discrepância", referiu José Azeredo Lopes, em resposta ao deputado do PSD Pedro Roque, numa audição na comissão parlamentar de Defesa Nacional.

O ministro da Defesa sustentou que "o bom senso político obriga" a que se espere "calmamente que essa aclaração venha a verificar-se, ou seja, que se venha a saber e se sim, porque é que se se verifica uma alegada discrepância quanto àquilo que foi recuperado".

O deputado do PSD Pedro Roque referiu-se a notícias do jornal Expresso, no sábado, dizendo que "continua a monte e à solta" material furtado em Tancos que "aparentemente todos julgavam" que tinha sido recuperado, já que em outubro foi divulgado que o material foi encontrado "à exceção de munições de 9 mm".

"Não é aceitável que, durante este tempo, o Governo continue aos papéis sem perceber bem o que se passou. A ação do ministro continua a ser vista com ligeireza, de modo algo descuidado e até com sobranceria", acusou Pedro Roque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.