Talibãs e representantes afegãos adiam encontro em Doha

Doha, 19 abr 2019 (Lusa) - O encontro entre talibãs e representantes do Governo afegão, agendado para este fim de semana na capital do Qatar, Doha, foi hoje adiado, tendo Washington apelado às partes que reconsiderem a decisão.

"Este lamentável adiamento é necessário para chegar a um consenso sobre quem deve participar da conferência", explicou o professor e diretor do Centro de Conflitos e Estudos Humanitários de Doha, Sultan Barakat.

A administração do Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, anunciou na terça-feira uma lista de 250 delegados, incluindo funcionários do Governo, que pretendia enviar para participar na reunião, agendada para este sábado e domingo em Doha.

Um número elevado que não caiu bem aos talibãs, que "não pretendem" encontrar-se com tantas pessoas, segundo uma declaração do porta-voz do grupo extremista, Zabihullah Mujahid.

O enviado especial norte-americano para o Afeganistão, Zalmay Khalilzad, que já promoveu diversos encontros com os talibãs, disse estar "desapontado com o adiamento" da reunião e exortou a amabas as partes que reconsiderem a decisão.

"Estamos em contato com todas as partes e incentivamos todos a permanecerem comprometidos com o diálogo", escreveu na rede social Twitter.

"Exorto todas as partes a aproveitarem esta oportunidade e a colocarem as coisas no bom caminho, aceitando uma lista de participantes que falem em nome de todos os afegãos", acrescentou.

Na passada sexta-feira, os talibãs anunciaram o início da ofensiva anual de primavera no Afeganistão, apesar de estarem a decorrer negociações com os Estados Unidos sobre o processo de paz no país.

O Conselho de Segurança da ONU condenou imeadiatamente o anúncio. "Os membros do Conselho de Segurança pedem a todas as partes envolvidas no conflito que aproveitem a possibilidade do início de um diálogo inclusivo inter-afegão e de negociações que levem a um acordo político", refere a declaração conjunta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".